29/09/2016 às 08h25min - Atualizada em 29/09/2016 às 08h25min

José Roberto de Oliveira concede entrevista exclusiva ao jornal Leopoldinense

Conteúdo está sendo publicado simultaneamente nas versões online e impresso que pode ser adquirido nas bancas de jornais.

José Roberto de Oliveira (Imagem: Focus)
Debater os problemas do município e apontar soluções para os mesmos foi o foco da entrevista com o candidato a prefeito de Leopoldina, José Roberto de Oliveira. A entrevista foi feita a partir de questionamentos sobre alguns problemas do município, enviados diariamente ao jornal Leopoldinense pelos leitores, via facebook principalmente. Assim, os diretores do jornal acreditam estar verdadeiramente, contribuindo para o debate democrático. “Temos a convicção de que não basta se candidatar e pedir votos; é preciso mostrar ideias, apontar soluções e sustentar suas opiniões perante o eleitorado. Eis uma boa chance para falar diretamente com o eleitor e, talvez, conseguir bons votos”.
 
JL -Fale um pouco sobre sua trajetória pessoal como político e sua experiência como gestor público.
 
JR – Sempre estudei em escolas públicas em Leopoldina. Cursei medicina na UFJF, me formei e saí para o Rio de Janeiro onde fiz residência em cirurgia geral pelo Hospital Carlos Chagas. Em 1982 voltei para Leopoldina. Comecei a exercer minha profissão com zelo e carinho, fazendo da minha medicina um sacerdócio. Entrei na vida pública por entender que através da política poderia transformar a vida das pessoas. Candidatei-me a prefeito e estou no 4º mandato. Pelo trabalho que fizemos, acredito que conseguiremos êxito para alcançarmos nosso 5º mandato.
 
JL–Por que e para que o senhor pretende candidatar-se a prefeito de Leopoldina? Cite bons motivos para o eleitor votar no seu nome.
 
JR-Para dar prosseguimento às obras que venho realizando em todo município junto com a minha equipe. Faremos muito mais com Marcinho Pimentel, arquiteto conceituado. É fundamental essa união em torno do crescimento de Leopoldina.
 
JL–Quais os problemas que ainda temos no setor de Saúde e o que pretende fazer para melhorar a situação? O que o senhor tem planejado para a Casa de Caridade Leopoldinense?
 
JR-Por ser médico tento resolver os problemas da Saúde, que são muitos. Implantamos os testes do pezinho e da orelhinha, o SAMU, o Núcleo de Fisioterapia (um dos mais importantes da região, com piscina de água quente para hidroterapia), reformamos vários PSFs, aumentamos o número de exames e o de agentes de saúde. A Saúde é o ponto forte do nosso governo.
 
JL–Quais políticas de emprego e renda pretende implantar no município para alavancar a economia local que se encontra estagnada? O senhor tem alguma proposta para atrair novas empresas para a cidade?
 
JR - Nós criamos em 2005 a Lei PRODEM, o que facilitou a entrada de empresas em Leopoldina. Através dela implantamos a PifPaf, uma das firmas que mais geram emprego na cidade, a Lojas Americanas (prestes a inaugurar), e a Coutinho e Coutinho - uma confecção instalada na antiga Magmar - onde nós desapropriamos e facilitamos o repasse desse prédio para a empresa.
 
JL - Como ajudar o pequeno agricultor e que propostas o senhor tem para o homem do campo?
 
JR - A Prefeitura está comprando a produção dos agricultores através da agricultura familiar, que vai para a merenda escolar. Adquirimos 3 motoniveladoras que fazem a manutenção das estradas.
 
JL – O que o senhor pretende fazer com os lixões a céu aberto em alguns pontos da cidade, os chamados ‘Bota Fora’? O senhor pretende melhorar a coleta de lixo na cidade?
 
JR - Nós já estamos fazendo isso. Eu pleiteei junto ao governo federal vários projetos e recursos para construir nosso aterro sanitário. Foi em vão. Sempre alegavam não ter recursos, então nós fizemos neste mandato uma terceirização e temos um local onde descarregamos o lixo. A nossa intenção é construir um aterro sanitário.
 
JL - O que será feito para resolver o problema do esgoto que está poluindo nossos córregos e rios?
 
JR - Com a mudança de governo, o deputado Marcus Pestana conseguiu uma via de acesso ao Ministro das Cidades Bruno Araújo que se prontificou a liberar recursos para que possamos fazer pelo menos a parte do Jacareacanga. Acredito que o projeto será liberado e poderemos fazer esta grande obra.
 
JL-Quais os planos para mudar a atual situação das estradas que ligam Leopoldina a Providência e da estrada que liga Leopoldina a Abaíba?
 
JR-Existe um projeto para asfaltamento da estrada Providência x Leopoldina. Devido à crise econômica o projeto, estimado em R$ 10 milhões, vem sendo postergado. Leopoldina não dispõe de recursos.
 
JL-O município de Leopoldina tem um conjunto de casas populares cuja construção está inacabada. O que fazer para mudar essa triste realidade?
 
JR -Este conjunto de casas faz parte do Programa Minha Casa Minha Vida. Com a crise política econômica e a falta de repasses de recursos federais levou à morosidade das obras. Fui informado que os recursos voltarão a ser repassados após as eleições e a obra será concluída.
 
JL-Qual a opinião do senhor sobre a implantação do estacionamento rotativo no centro da cidade?
 
JR-O Conselho Municipal de Segurança e Trânsito já se posicionou favorável a implantação do estacionamento rotativo na área central. Já foram demarcadas ruas e em torno de 1500 vagas.
 
JL-Que providências serão tomadas para resolver o grande número de cães abandonados pela cidade?
JR-A Prefeitura mantém um canil para onde são levados os animais recolhidos, onde recebem todos os cuidados necessários. Dentro das nossas possibilidades apoiamos entidades locais do setor.
 
JL-Por que importantes espaços de lazer e turismo estão abandonados, como por exemplo, o Horto Florestal e o Morro do Cruzeiro?
 
JR-Nós estamos avançando muito nessa área. Estamos revitalizando todas as nossas praças, que estão recebendo academias ao ar livre e parquinhos. Vários bairros estão recebendo este benefício. A estrutura que existe no Horto Florestal foi feita por nós e temos projeto para revitalizá-la. 
 
JL-Após mais de dois anos de aprovada a Lei Municipal de Incentivo à Cultura Vitalino Duarte não foi regulamentada.  Está nos planos do senhor colocá-la em prática?
 
JR-Com certeza. A Lei Vitalino Duarte, pela falta de recursos federais, nós a estamos revisando, para que possamos fazê-la funcionar através de recursos nossos, já que ela foi criada no nosso mandato.
 
JL-Por que algumas praças em bairros estão abandonadas? Por que as calçadas e passeios das ruas da cidade não são cuidados? A prefeitura poderia fiscalizar essa parte?
 
JR-A administração economiza para atender bairros e distritos. Encontramos dificuldades na Câmara, onde nossos adversários possuem a maioria e bloquearam o repasse de recursos para a realização de algumas destas obras. Em relação às calçadas, na medida do possível a prefeitura tem fiscalizado.
 
JL-O candidato tem alguma proposta concreta para resolver os problemas de transporte coletivo dos distritos de Leopoldina?
 
JR-O prazo de concessão para esse transporte é de 20 anos. Assim que terminar esse prazo, nós vamos fazer uma licitação dentro das normas da Lei 8666 e fazer normas para que as empresas contratadas possam colocar aqui ônibus que tenham mais eficiência.

JL-O senhor acha que a cidade de Leopoldina atualmente está carente de políticas publicas voltadas para a juventude e consequentemente para a inclusão social?
 
JR-Não. Nesta gestão fizemos um trabalho brilhante na área de lazer revitalizando praças e instalando academias ao ar livre e parquinhos infantis. Também criamos o Centro Cultural Mauro de Almeida.
 
JL-Quais os problemas que ainda temos no setor de Educação e o que o senhor pretende fazer para melhorar a situação?
 
JR-Melhoramos muito a Educação em Leopoldina. A merenda escolar é elogiada, reformamos escolas, implantamos o piso salarial dos professores e todo dia 29 ou 30 os funcionários municipais recebem seus salários. Temos educação em tempo integral no CAIC e construímos três creches.
 
JL-O senhor já tem nomes em mente ou pelo menos uma idéia ou perfil de quem o senhor gostaria de ter em sua equipe de governo, caso eleito?
 
JR-Esse tema será discutido depois. Destaco que minha atual equipe tem feito um belo trabalho.
 
JL–Qual será a participação do vice-prefeito em seu governo?
 
JR-O Marcinho Pimentel é um arquiteto, bacharel em Direito, tem grande conhecimento técnico e político e estará ao nosso lado durante todo o governo.
 
JL-Qual a sua mensagem para nossos leitores, internautas e para o povo leopoldinense que acompanha esta entrevista como candidato a prefeito de Leopoldina através do jornal Leopoldinense?
 
JR-Eu não sou candidato a prefeito por acaso, nem sou franco-atirador. Eu tenho passado e uma biografia que todos conhecem. Tenho a vida limpa, tenho as minhas mãos limpas. Eu e Marcinho somos a melhor dupla para representar Leopoldina junto aos órgãos estaduais e federais. Nós colocamos os nossos nomes à disposição e pedimos ao povo de Leopoldina que vote 20, Zé Roberto e Marcinho, e que vote nos vereadores que estão conosco porque são os melhores vereadores. 
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »