04/11/2019 às 18h34min - Atualizada em 05/11/2019 às 15h09min

Obras do novo Pronto Socorro continuam paralisadas após 6 anos de iniciadas

Em 07 de junho de 2013, R$2,5 milhões foram prometidos para construir novo Pronto Socorro Municipal junto à Casa de Caridade Leopoldinense.

Luiz Otávio Meneghite
Obra do Pronto Socorro paralisada
Os representantes políticos do Governador Romeu Zema em Leopoldina devem começar a se movimentar, ou pelo menos dar notícias do que ele pretende fazer para retribuir os 11.834 votos que obteve no primeiro turno em Leopoldina, o equivalente a 46,93% dos votos válidos, e os 18.404 votos recebeu no segundo turno, o equivalente a 75,39% dos votos válidos em nosso município. São números que representam a confiança e a esperança dos eleitores leopoldinenses no Governador Romeu Zema.

Prestes a completar o primeiro ano de seu mandado, que vai até 2022, e vencidas as dificuldades encontradas por ele ao assumir o Governo de Minas, está mais do que na  hora dos eleitores, através das autoridades municipais constituídas através do voto popular, cobrarem dele uma grande dívida contraída com o município de Leopoldina pelos milhares de votos aqui recebidos. Não adianta querer culpar os governos que o antecederam pelas obras paralisadas em Leopoldina. Afinal, ele foi eleito para solucionar os problemas do Estado de Minas Gerais junto aos Municípios.


Perspectiva do novo Pronto Socorro Municipal


R$2,5 milhões foram prometidos para construir novo Pronto Socorro Municipal

Um exemplo de obra iniciada e paralisada em Leopoldina é a construção do novo Pronto Socorro Municipal. Em visita oficial a Leopoldina onde foi recebido pelo prefeito José Roberto de Oliveira e vários prefeitos da região, no dia 07 de junho de 2013, quando era Governador do Estado o senhor Antônio Junho Anastasia, o então Secretário de Estado da Saúde de Minas Gerais, Antonio Jorge de Souza Marques, garantiu o aporte de mais R$ 2.5 milhões do Tesouro Estadual para financiar o projeto de construção e instalação do novo Pronto Socorro de Leopoldina junto ao hospital da Casa de Caridade Leopoldinense. 

"Com esse aporte de recursos vamos garantir um atendimento de urgência mais qualificado. Esse investimento alavanca o início de um grande plano diretor de investimento para o hospital de Leopoldina, com foco na Urgência e Emergência", afirmou na ocasião o então secretário, ao pedir aos gestores municipais presentes no Salão Nobre da Prefeitura de Leopoldina, que tivessem entendimento de que o sucesso depende do desprendimento dos prefeitos. “É preciso pensar regionalmente; é preciso desprendimento dos gestores", afirmou.


O Secretário de Saúde Antônio  Jorge no ato de assinatura da liberação dos recursos


Infelizmente, ainda que a obra tenha sido iniciada, com alicerces e colunas prontas ela está há muitos anos paralisada e pode se transformar num elefante branco. Torçamos para que não. O espaço para manifestações das autoridades está aberto.


Romeu Zema Neto (Foto Paulo Filgueiras EMD.A.Press)


Você pode enviar suas reivindicações, críticas e elogios ao jornal Leopoldinense via WhatsApp ( (32) 9-8868-7125 ou pelos e-mail’s : [email protected] [email protected] ou  [email protected] 

Fonte>Arquivo do Jornal Leopoldinense e fotos de João Gabriel Baia Meneghite e Kalon Moraes
 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »