18/05/2020 às 11h22min - Atualizada em 18/05/2020 às 11h22min

Luizinho Barbeiro

Luciano Baía Meneghite

Aloisio Lopes nasceu em 18 de julho de 1940, no povoado de São Lourenço, filho de Emília Minelli Lopes e Manoel Lopes. Quando tinha por volta de seis anos de idade a família mudou-se para a cidade. Ainda adolescente, Luizinho começou a trabalhar como engraxate e aprendeu a profissão de barbeiro com Oldemar Montenári.

Após o falecimento do Sr Oldemar, seguiu trabalhando com os hoje também saudosos Jaci e Zé Barbeiro no mesmo ponto na lateral do Cine Brasil, em que também funcionava a Rodoviária de Leopoldina. Também ali foi o último ponto em que trabalhou o popular Fizinho.

Ainda em vida, ele disse em depoimento ao Jornal Leopoldinense:

“Sinto saudade de pessoas como Sr. Oldemar, Átila Lacerda, ‘Zé Barbeiro’.
Tenho pouca leitura, mas aprendo muito com as palestras no Centro Espírita Amor ao Próximo, que gosto de frequentar”.

"A gente tem que levar a vida a sério, mas brincar faz parte." dizia. 

 

Com 58 anos de profissão, Luizinho continuava na mesma barbearia, o Salão Azul, com o filho Roberto até que um câncer agravou seu estado de saúde e ele foi obrigado a parar em definitivo suas atividades. Faleceu na sexta-feira, 30 de novembro de 2018, aos 78 anos, em Juiz de Fora, onde estava em tratamento. O sepultamento ocorreu no sábado, 1º de dezembro.

Luizinho Era viúvo e deixou os filhos Dayane, Nathália e Roberto, além de muita saudade em todos fregueses e amigos que admiravam sua figura simples e alegre.


(Nota: Costumo dizer que só quem "faz minha cabeça" é o barbeiro. Luizinho foi quem por muitos anos fez a minha)

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »