23/02/2021 às 13h29min - Atualizada em 23/02/2021 às 13h29min

Programa criado para destravar obras públicas poderia ser utilizado no Pronto Socorro de Leopoldina?

Em 07 de junho de 2013, R$2,5 milhões foram prometidos para construir novo Pronto Socorro Municipal e ampliação do CTI junto à Casa de Caridade Leopoldinense.

Edição> Luiz Otávio Meneghite
A foto mostra o grande esqueleto da obra paralisada na CCL(Foto de João Gabriel B. Meneghite)
Um Comitê Interinstitucional com o nome ‘Destrava Minas’ foi criado nesta segunda-feira (22/2), para desemperrar entraves que impedem a retomada de obras públicas, paralisadas com a responsabilidade pelo mapeamento dessas obras no Estado e na adoção de medidas para que elas sejam retomadas. A parceria entre o Poder Judiciário e órgãos de controle, para realização do "Destrava Minas", foi formalizada com assinatura de uma Portaria Conjunta, instituindo o Comitê Interinstitucional formado por representantes do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Governo do Estado, Tribunal de Contas, Advocacia-Geral do Estado, Procuradoria-Geral de Justiça do Ministério Público de Minas Gerais e Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais.

Avança Minas

Anteriormente, outro plano de retomada econômica lançado no dia 10 de setembro de 2020 pelo governador Romeu Zema, com o nome de ‘Avança Minas’, previa também aporte de R$ 1 bilhão em obras públicas nas áreas de saúde, educação, segurança pública, infraestrutura rodoviária e urbana. Com os investimentos, a expectativa do governo de Minas é de poder gerar pelo menos 35 mil postos de trabalho diretos e indiretos em todas as regiões do Estado, contribuindo com mais de R$ 3 bilhões para o Produto Interno Bruno (PIB) dos municípios e cerca de R$ 181 milhões em arrecadação de impostos. Os recursos para os empreendimentos previstos no plano Avança Minas, viriam do Estado e do governo federal, além de saldos de convênios já firmados e de acordos com a iniciativa privada. De acordo com Zema, no Estado, algumas das obras estavam paralisadas há quase 10 anos. A notícia divulgada pela Central de Imprensa do Governo de Minas não relaciona todas as obras que serão feitas, o que nos dá o direito de perguntar:

E as obras da Casa de Caridade Leopoldinense, Governador?

O Jornal Leopoldinense já publicou em outras oportunidades matérias sobre as obras iniciadas e paralisadas de ampliação do CTI e da construção do novo Pronto Socorro Municipal que funciona junto à Casa de Caridade Leopoldinense. A oportunidade de fazer novas cobranças às autoridades superiores surgiu com a Pandemia do COVID 19, o novo coronavírus. As autoridades municipais, dos Poderes Executivo e Legislativo e os parlamentares estaduais e federais têm a oportunidade e a obrigação de apertar o Governador Romeu Zema para liberar os recursos necessários para a conclusão daquelas construções, que como mostram a foto de João Gabriel Baia Meneghite, avançaram muito formando um grande esqueleto de colunas e vigas.

A estupenda votação de Zema em Leopoldina

Pelo menos, o Governador Romeu Zema deveria  dar notícias do que ele pretende fazer para retribuir os 11.834 votos que obteve no primeiro turno em Leopoldina, o equivalente a 46,93% dos votos válidos, e os 18.404 votos recebeu no segundo turno, o equivalente a 75,39% dos votos válidos em nosso município. São números que representam a confiança e a esperança dos eleitores leopoldinenses  dedicaram ao Governador Romeu Zema.

Já no terceiro ano de seu mandado, que vai até 2022, e vencidas as dificuldades encontradas por ele ao assumir o Governo de Minas, está mais do que na  hora dos eleitores, através das autoridades municipais constituídas através do voto popular, cobrarem dele uma grande dívida contraída com o município de Leopoldina pelos milhares de votos aqui recebidos. Não adianta querer culpar os governos que o antecederam pelas obras paralisadas em Leopoldina. Afinal, ele foi eleito para solucionar os problemas do Estado de Minas Gerais junto aos Municípios. Afinal, a caneta agora está na sua mão, Governador.

Com informações da Assessoria de Comunicação Institucional do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, da Agência Minas e do Arquivo do Jornal Leopoldinense
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »