12/11/2015 às 14h13min - Atualizada em 12/11/2015 às 14h13min

Projeto do deputado Dr. Wilson Batista que garante mapeamento genético pelo SUS segue em tramitação

Requerimento do deputado Dr. Wilson, autor do projeto, derrubou em plenário o parecer da CCJ pela inconstitucionalidade

Foto Clarissa Barçante

Durante a reunião ordinária de quarta-feira, (11/11/2015) o plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais derrubou o parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) pela inconstitucionalidade do Projeto de Lei (PL) 18/2015, de autoria do deputado Dr. Wilson Batista. O PL visa assegurar às mulheres com elevado risco de desenvolver câncer de mama e ovário o acesso ao teste genético pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Minas Gerais.

Com o teste a pessoa terá a possibilidade de escolher formas de prevenção e tratamentos antecipados para evitar o desenvolvimento da doença, caso o resultado seja positivo. Sendo negativo, a mulher deixará de conviver com o temor do aparecimento desses tipos de câncer.

Em sua declaração de voto, o deputado Dr. Wilson Batista, destacou a importância da proposição. “O projeto garante às mulheres que têm alto risco de desenvolver o câncer de mama e ovário o acesso ao teste genético que permite identificar fatores de malignidade um erro genético possibilitando a elas formas de tratamentos muito mais precoces, antes que elas desenvolvam a doença. É um teste importantíssimo que já existe no Brasil há dezenas de anos, mas infelizmente não foi incorporado pelo SUS. Um teste caríssimo, que custa cerca de R$3 mil e é inviável para muitas mulheres que dependem do SUS”, enfatizou.

Fonte: Assessoria de imprensa do Deputado Dr. Wilson Batista

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »