03/06/2018 às 16h42min - Atualizada em 03/06/2018 às 16h42min

Cefet de Leopoldina ganha Curso Superior em Engenharia da Computação

Campus de Leopoldina pode receber investimento de 12 milhões na construção de um restaurante estudantil

João Gabriel B. Meneghite
O diretor do Cefet Leopoldina comunicou os trâmites dos pedidos ao prefeito José Roberto de Oliveira.
O Centro Federal de Educação Tecnológica ganhou um novo curso superior, o de Engenharia da Computação.  Esse é o segundo curso de graduação ofertado pelo campus de Leopoldina - o primeiro foi o de Engenharia de Controle e Automação, no ano de 2005. 

As inscrições para o processo seletivo foram abertas nesta segunda-feira, 04 de junho, pelo sítio eletrônico do Cefet . Estão aptos a participar os candidatos que concluíram o ensino médio ou equivalente, e que realizaram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do ano de 2017.  De acordo com o edital (Clique aqui), serão ofertadas 30 vagas e não haverá cobrança de taxa de inscrição. As aulas terão início no 2º semestre de 2018 e o curso tem duração de 5 anos, totalizando 3.600 horas, em turno integral.

Segundo o coordenador designado para o Curso de Engenharia da Computação do Cefet Leopoldina Maicon Stihler, o público alvo são pessoas interessadas em trabalhar com tecnologia e desenvolvimento de sistemas. "É um curso que tem uma certa similaridade com a Engenharia de Controle e Automação, porém, o foco é diferente. Enquanto os estudantes do curso de Engenharia de Controle e Automação estão focados mais na inteligência da automação e seus processos de controle, o pessoal que trabalha com a Engenharia da Computação está mais focado no desenvolvimento do software, que vai estar envolvido nesses sistemas e nos equipamentos, também em projetos de hardware, circuitos, computação embarcada, entre outros. O campo de atuação, além das indústrias, é um profissional que pode trabalhar como autônomo, desenvolvendo sistemas tanto para internet, sistemas gerenciais, enfim, é um perfil bastante flexível, que pode encontrar aplicação em vários setores da economia, tanto em Leopoldina como em outras cidades", comentou.

Em entrevista ao jornal Leopoldinense, o diretor do campus do Cefet Leopoldina, Douglas Martins Vieira da Silva comentou que o anúncio do novo curso é motivo de muita satisfação de todos que se empenharam com o projeto. "É um curso gratuito e de qualidade. Leopoldina e região ganham com isso. Temos uma nova opção, permitindo que nossos filhos fiquem bem próximos, não precisando ir para longe para estudar", comemorou. 

Martins disse que o Cefet de Leopoldina agora tem o status universitário, que consiste em ser reconhecido pelo Ministério da Educação como universidade, não sendo necessária a autorização por parte do MEC para abrir novos cursos, diminuindo as instâncias burocráticas para os pedidos. No entanto, alertou que o trâmite interno é bastante complexo, onde foram montadas comissões para solicitar novos cursos de Engenharia Mecânica e Engenharia da Computação. "Os dois projetos pedagógicos foram criados concomitantes para a diretoria de graduação em Belo Horizonte. Quando o curso é pedido, o processo é lento, pois precisa de ofertas de novas vagas de professores, um estudo local que passa por alguns conselhos internos para aprovação, como o de graduação e depois o Conselho de Educação Profissional e Extensão", explicou. 

O diretor do campus revelou ainda que, além da aprovação do curso superior de Engenharia da Computação, a tendência é que o Cefet Leopoldina tenha mais cursos aprovados, como o de Engenharia Mecânica, que tem grandes possibilidades de ser ofertado na cidade, tendo em vista que já foi aprovado em uma instância, faltando apenas mais um passo para ser anunciado. 

No dia 01 de junho, Douglas esteve reunido no Cefet Leopoldina com prefeito de Leopoldina José Roberto de Oliveira, para comunicar sobre o edital do processo seletivo do novo curso de graduação e o trâmite do processo referente ao projeto do Restaurante Estudantil - investimento de cerca de doze milhões de reais.

José Roberto de Oliveira explicou que quando a Prefeitura de Leopoldina cedeu o prédio para o Cefet, ele fez três solicitações para que a instituição retribuísse a doação do terreno: Um Curso de Engenharia Civil, Engenharia da Computação e um Restaurante Estudantil. "Estamos mostrando o que fizemos no passado cedendo o imóvel para o Cefet e hoje estamos colhendo esse benefício. Mais tarde vamos receber o Restaurante Estudantil e o Curso de Engenharia Civil. Fomos muito criticados por ceder ao Cefet este imóvel. Eu acho que a educação é o fator mais importante que pode haver numa cidade. Agradeço ao Flávio Antônio dos Santos [Diretor Geral Cefet Minas Gerais], ao Douglas [Diretor do Cefet Leopoldina], ao ex-diretor do Cefet de Leopoldina José Antônio Pinto e toda equipe envolvida de ambas as partes, inclusive a da prefeitura. Quero fazer um agradecimento especial ao Deputado Federal Marcus Pestana, que foi comigo várias vezes no Ministério da Educação, junto ao ministro Mendonça Filho, no sentido de que ele desse agilidade na liberação desses cursos", comentou. 
Luiz Cabral (Chefe de Gabinete), Walter Matos (Sec. Desenvolvimento Econômico), Douglas Martins (Diretor do Cefet Leopoldina), José Roberto de Oliveira (Prefeito de Leopoldina) e Maicon Stihle (Coordenador do Curso de Engenharia da Computação). 

A expansão do campus do Cefet de Leopoldina

Em 2016, houve uma expansão do campus de Leopoldina - que assumiu as antigas instalações do Sesi, possibilitando o crescimento da unidade. No terreno de 10.000 metros, desapropriado pelo Município de Leopoldina à Chácara do Desengano S/A, e doado ao SESI para a construção do CAT-Centro de Atividades do Trabalhador, existem muitas benfeitorias como um prédio com diversas salas, além de quadras, campo de futebol e piscina. 

Como a FIEMG encerrou suas atividades no espaço, o imóvel retornou para o Município de Leopoldina, pois na Lei nº 2552, de 20 de outubro de 1993 havia uma cláusula de reversão, em caso de extinção das finalidades do CAT.  Sendo assim, a Câmara Municipal de Leopoldina aprovou um projeto de Lei no dia 02 de agosto de 2016, autorizando o Poder Executivo a cancelar a cláusula de inalienabilidade e impenhorabilidade gravada no imóvel.  
A Câmara Municipal de Leopoldina aprovou um projeto de Lei no dia 02 de agosto de 2016
Com isso, o Município doou o terreno ao Cefet para expansão de suas atividades. Em contrapartida, o prefeito José Roberto de Oliveira aproveitou a situação para reivindicar um curso superior e um restaurante estudantil dentro do campus de Leopoldina.  O pedido foi feito no dia 02 de março de 2016, ocasião que o chefe do Poder Executivo esteve reunido com representantes da FIEMG, SESI e CEFET, na sede da UAITEC em Leopoldina,  com objetivo de viabilizar os trâmites legais do processo. Estiveram presentes na reunião o diretor geral do Cefet em Minas Gerais,  professor Flávio Antônio dos Santos, juntamente com o então diretor na unidade de Leopoldina José Antônio Pinto, além de Lúcio José Figueiredo Sampaio, da FIEMG.

Antes da especulação da possibilidade de o Cefet assumir as instalações do SESI, já era pública a informação de que a FIEMG não daria continuidade aos trabalhos desenvolvidos naquele espaço. Com este cenário, o jornal Leopoldinense promoveu uma enquete entre os dias 14 de 28 de novembro de 2015, na qual o leitor opinou sobre quem deveria assumir o espaço com o fechamento do SESI. O resultado apontou que 75% dos leitores preferiam que o CEFET assumisse o clube. (Clique aqui e saiba mais)

Naquela ocasião, o então diretor do Cefet Leopoldina José Antônio Pinto, comentou que o resultado da enquete mostrou o respeito que a comunidade leopoldinense e regional tem pelo CEFET. Ele frisou que isto foi fundamental e criou um cenário favorável para que os envolvidos entrassem numa convergência que vai beneficiar toda a comunidade regional.
José Antônio Pinto, ex-diretor do Cefet Leopoldina

Restaurante Estudantil do Cefet Leopoldina, um investimento de 12 milhões.

Foi realizada no dia 01 de junho uma reunião com representantes do Cefet e da Prefeitura Municipal de Leopoldina. O encontro aconteceu no Cefet Leopoldina e reuniu o diretor da instituição Douglas Martins Vieira da Silva, o professor designado para a coordenação do Curso de Engenharia de Computação Maicon Stihler, o prefeito municipal de Leopoldina José Roberto de Oliveira, o secretário de desenvolvimento econômico Valter Matos e o chefe de gabinete Luiz Cabral. 

O diretor do Cefet Leopoldina fez o anúncio oficial do início do novo curso de graduação e mostrou detalhes do projeto relacionado ao Restaurante Estudantil, que poderá receber um investimento de cerca de 12 milhões de reais.

Douglas informou que já foram feitas análises de solo, o projeto básico e elétrico. Ele explicou que ainda é cedo para dar mais detalhes, pois o mesmo está sendo analisado, mas que há grande possibilidade de ser autorizada a licitação em breve. 

A perspectiva da obra demonstra que será construída uma edificação onde atualmente fica localizada a quadra poliesportiva do antigo Sesi, estando previstas a revitalização de vários espaços, como a construção de uma praça onde atualmente está a quadra de areia. Também será construído um acesso para carga e descarga do restaurante, que poderá servir 600 refeições diárias (almoço e jantar), com preço unitário de R$1,50 para cada refeição. Além disso, o objetivo é construir um pórtico de entrada para o novo acesso ao campus - por uma rua ao lado da rodoviária, antigo portão de entrada do Sesi. 

Local onde será construído o restaurante estudantil.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »