07/07/2016 às 00h00min - Atualizada em 07/07/2016 às 00h00min

Vacinação contra a raiva em cães e gatos em Leopoldina começa no dia 18 de julho

Período de vacinação se estenderá até o dia 26 de agosto e atenderá bairros e distritos.

Luiz Otávio Meneghite
O slogan da campanha é 'Não deixe a raiva acabar com uma grande amizade'.
A partir de segunda-feira, 18 de julho e até o dia  26 de agosto, uma sexta-feira, a Vigilância Sanitária, órgão da Secretaria Municipal de Saúde de Leopoldina,  irá vacinar cães e gatos contra a raiva.

A ação, como nos anos anteriores, será itinerante e percorrerá todos os bairros e distritos de Leopoldina, como objetivo de fazer um controle mais eficiente e também evita que os moradores deixem de levar os animais, por não terem como se locomover.

Veja os locais e datas de vacinação em Leopoldina

Clique para ampliar

Clique para ampliar

No período divulgado pela Autoridade Sanitária Municipal, Luiz César Barbosa Maldonado, os vacinadores vão percorrer os bairros nos dias úteis e os cães e gatos que serão vacinados deverão estar com coleira e guia, e os gatos em sacolas de pano ou em gaiolas apropriadas.

Animais com temperamento agressivo devem estar com focinheira. Sintomas como dores no local vacinado, febre e comportamento mais quieto do animal podem ocorrer por até 36h após a aplicação. As vacinas são repassadas pelo Ministério da Saúde, responsável pela aquisição. O slogan da campanha deste ano é ‘'Não deixe a raiva acabar com uma grande amizade'
Sobre a doença.

A raiva é uma doença que compromete o sistema nervoso do homem, sendo incurável e com índice de letalidade próximo a 100%. É uma zoonose viral e todos os mamíferos estão suscetíveis ao vírus da raiva, podendo transmiti-la. Cães, gatos e morcegos são os principais transmissores. A vacina é a única maneira de controlar a doença.

Caso uma pessoa seja mordida por um desses animais, deve lavar o local machucado imediatamente, com água e sabão. Ao mesmo tempo, deve-se procurar a unidade de saúde mais próxima, onde receberá os primeiros cuidados e será encaminhada para uma das unidades especificas que funcionam como pólo de profilaxia da raiva. Se possível, isolar o animal por 10 dias, para ver o grau de manifestação da doença, e informar se tem dono e o endereço onde habita.

A raiva está controlada e sem apresentar registro de casos em humanos há mais de 25 anos no Rio, mas ainda oferece risco à população, pois a cidade conta com um número alto de morcegos, cachorros e gatos, principais transmissores do vírus.

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde de Leopoldina/Vigilância Sanitária

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »