02/02/2017 às 10h42min - Atualizada em 02/02/2017 às 10h42min

Tributo à divina voz de nosso cancioneiro Elizeth Cardoso

WALDEMAR PEDRO ANTÔNIO

O CANTINHO MUSICAL reservou este espaço  para  executar  verdadeiras  joias  musicais  , interpretadas  DIVINAMENTE  pela  voz  cristalina  e  suave  dessa  maravilhosa  cantora  que ,  com  suas  canções  ,  eternizou  seu  estilo  na  MPB  :   ELIZETH   CARDOSO  :   A  DIVINA  .

       Elizeth Cardoso  nasceu  no  Rio de Janeiro, em 16 de julho de 1920 e faleceu em  7 de maio, 1990 .  Foi uma cantora e atriz de grande renome . Conhecida como "A Divina". Nasceu no Rio de Janeiro. Seu pai era um seresteiro que tocava violão e sua mãe era uma cantora amadora. Elizeth Cardoso começou a trabalhar em tenra idade em várias atividades. Foi descoberta pelo Jacó do Bandolim em sua festa de aniversário de 16 anos. Jacó levou Elizeth Cardoso para a Rádio Guanabara onde, apesar da oposição inicial do pai, ela apareceu no Programa Suburbano com Vicente Celestino, Araci de Almeida, Moreira da Silva, Noel Rosa e Marília Batista em 18 de agosto, 1936. Uma semana depois  ela foi contratada pela estação para aparecer em um programa semanal. Depois disso, Elizeth Cardoso continuou a realizar em vários shows com várias estações de rádio. Em 1960 ela teve seu próprio programa de rádio. Além do choro, Elizeth consagrou-se como uma das grandes intérpretes do gênero samba-canção ao lado de Maysa, Nora Ney, Dalva de Oliveira, Ângela Maria e Dolores Duran. O gênero, comparado ao bolero , pela exaltação do tema amor-romântico ou pelo sofrimento de um amor não realizado, foi chamado também de dor-de-cotovelo ou fossa. O samba canção antecedeu o movimento da bossa-nova . Elizeth migrou do choro para o samba-canção e deste para a bossa nova gravando em 1958 o LP Canção do Amor Demais, de  autoria de Vinícius de Moraes e Tom Jobim .

   
A  partir  de  agora  apreciaremos  as  canções  que  foram divinizadas  por  ELIZETH com a  suavidade  e  afinamento  de  sua  bela  voz . Todos sabemos  que  Jacob  do  Bandolim  tinha um  apreço  especial  pela  Divina . Ela  era  quase  um  ente  da  família . Após  a  morte  de  Jacob ,  seu  filho  , Sérgio  Bittencourt  ,  compôs  uma  canção  que  mostrava  todo  sentimento  saudosista  do  pai, através  da  lembrança , entregando , com  todo  merecimento ,  à amiga  Elizeth  a música  para  gravar .  “   NAQUELA   MESA  “ .  [ “  / Naquela mesa ele sentava sempre / E me dizia sempre, o que é viver melhor. / Naquela mesa ele contava histórias, / Que hoje na memória eu guardo e sei de cor. / Naquela mesa ele juntava gente / E contava contente o que fez de manhã. / E nos seus olhos era tanto brilho, / Que mais que seu filho, eu fiquei seu fã. / Eu não sabia que doía tanto / Uma mesa no canto, uma casa e um jardim. / Se eu soubesse o quanto dói a vida, / Essa dor tão doída não doía assim. / Agora resta uma mesa na sala / E hoje ninguém mais fala no seu bandolim. / Naquela mesa tá faltando ele / E a saudade dele tá doendo em mim. / . “   ]   . 

A  palavra  saudade  surgiu  na  língua  portuguesa  a  partir  do  sentimento  dorido  das  mulheres  medievais , lamentando  o  afastamento  de  seus  amantes expondo  seus  sofrimentos  motivados pela  ausência . Diante  de  todo  conhecimento  que  a  palavra  saudade  expressa ,  Chocolate  e  Elano  Paula  compuseram  a  bela  canção  que  se tornou  rótulo  de  Elizeth  “ CANÇÃO  DE  AMOR   “.    [ / “ Saudade torrente de paixão /Emoção diferente / Que aniquila a vida da gente / Uma dor que não sei de onde vem / Deixaste meu coração vazio / Deixaste a saudade / Ao desprezares aquela amizade / Que nasceu ao chamar-te meu bem / Nas cinzas do meu sonho / Um hino então componho / Sofrendo a desilusão / Que me invade / Canção de amor, saudade ! / . “ ]  .



Em  um  lampejo  de  sua  intelectualidade  poética , Vinícius  de  Moraes expressa  em  cada  verso  desta  canção  todo  sentimento  de  perda  da  pessoa   amada , com  manifestações  metafóricas  ,  realçadas  no  maravilhoso  canto  de  Elizeth . “ SERENATA  DO  ADEUS  “  .     [ “ / Ai, a lua que no céu surgiu / Não é a mesma que te viu / Nascer dos braços meus / Cai a noite sobre o nosso amor / E agora só restou do amor / Uma palavra, adeus / Ai, mulher estrela a refulgir / Parte mas antes de partir / Rasga o meu coração / Crava as garras no meu peito em dor / E esvai em sangue todo o amor / Toda a desilusão. / Ai, vontade de ficar mas tendo de ir embora / Ai, que amar é se ir morrendo pela vida afora / É refletir na lágrima um momento breve / De uma estrela pura cuja luz morreu / Numa noite escura, triste como eu./ . “  ]  .


Nosso  cancioneiro   preserva  muitas  canções  cujo tema  é  o  ato  da  separação  amorosa . Com  muita  sutileza  poética , Haroldo  Barbosa  e  Luís  Carlos  Reis  construíram  uma  magnífica  obra  musical  com  belas  abordagens  metafóricas  embutidas   em  cada  verso , expressando  uma  mensagem  de  sentimento  de perda e  divinamente  reforçada  com  a  maravilhosa  voz  de  Elizeth :   “   NOSSOS   MOMENTOS  “ .   [ “ / Momentos são iguais àqueles / Em que eu te amei / Palavras são iguais àquelas / Que eu te dediquei / Eu escrevi na fria areia / Um nome para amar / O mar chegou, tudo apagou / Palavras leva o mar / Teu coração praia distante / Em meu perdido olhar / Teu coração, mais inconstante / Que a incerteza do mar / Meu castelo de carinhos / Eu nem pude terminar / Momentos meus que foram teus / Agora é recordar../ .  “  ]  .

Sutilmente  Marcos  e  Paulo Sérgio  Valle  compuseram  uma  linda  canção  centrada  na  paixão  através  de   uma  declaração  amorosa manifestada  em  cada  verso  com  um  lirismo  expresso  em  sua   linha  poética . Elizeth  reforça  , mais  uma  vez  com  seu  belo  canto ,  este  grande  sucesso “ PRECISO  APRENDER  A  SER  SÓ “ .  [ “  / Ah, se eu te pudesse fazer entender / Sem teu amor eu não posso viver / Que sem nós dois o que resta sou eu / Eu assim tão só. / E eu preciso aprender a ser só / Poder dormir sem sentir teu calor / A ver que foi só um sonho e passou. / Ah, o amor / Quando é demais ao findar leva a paz / Me entreguei sem pensar / Que a saudade existe e se vem / É tão triste.... / Vem, meus olhos choram a falta dos teus / Estes teus olhos que foram tão meus / Por Deus entenda que assim eu não vivo, / Eu morro pensando / No nosso amor! / . “  ]  . 


Dolores Duran , contrapondo a fossa e o sofrimento de amor , desenvolve , também , momentos harmoniosos no tema que desfolha toda a beleza através de um desejo ardente de querer todas as maravilhas que envolvem a vida amorosa , ficando  a  cargo  de  Elizeth  Cardoso  uma  bela  e  competente  interpretação  em     “  A  NOITE  DO  MEU  BEM  “ . [ “ / Hoje eu quero a rosa mais linda que houver / E a primeira estrela que vier  / Para enfeitar a noite de meu bem / Hoje eu quero paz de criança dormindo / E o abandono de flores se abrindo / Para enfeitar a noite de meu bem / Quero a alegria de um barco voltando / Quero ternura de mãos se encontrando / Para enfeitar a noite do meu bem / Ah! Eu quero o amor , o amor mais profundo / Eu quero toda beleza do mundo / Para enfeitar a noite do meu bem / Ah! Como esse bem demorou a chegar / Eu já nem sei se terei no olhar / Toda pureza que quero lhe dar /.”].   A   simplicidade  poética  de  Luís  Bonfá  e  Antônio  Maria está  expressa  nesta  linda  canção  em  um  belo  demonstrativo de alegria  e  felicidade  mesclado  com  um  maravilhoso  cenário  natural . 

Elizeth deu  um  toque de interpretação  realçando  ainda  mais a  satisfação  em  uma     “   MANHà DE  CARNAVAL  “ .  [ “  / Manhã tão bonita manhã / De um dia feliz que chegou / O sol no céu surgiu / E em cada cor brilhou / Voltou o sonho, então, ao coração. / Depois deste dia feliz / Não sei se outro dia haverá / É nossa manhã, tão bela afinal / Manhã de Carnaval. / Canta o meu coração / A alegria chegou / Na manhã tão feliz / Deste amor.../ . “  ]  . 







Esta  canção  composta  por  Antônio  Maria  e  Ismael  Netto  é  um  demonstrativo  da  paixão  entre  a  razão  e  a  emoção , cadenciadas  em  cada  verso  com  intenso  lirismo , justificando  o  retorno  do  relacionamento  entre  os  amantes . Elizeth  ornamenta  todo  o  tema com  muita  sensibilidade em   “  A  CANÇÃO  DA  VOLTA  “ .      [ “  / Nunca mais vou fazer o que meu coração pedir. / Nunca mais vou ouvir o que o meu coração mandar. / O coração fala muito e não sabe ajudar. / Sem refletir qualquer um vai errar, penar... / Eu fiz mal em fugir, / Eu fiz mal em sair do que eu tinha em você / E errei em dizer que não voltava mais, / Nunca mais. / E hoje eu volto vencida  / Pedir prá ficar aqui; / Meu lugar é aqui! / Faz de conta que eu não saí. / O coração fala muito e não sabe ajudar. / Sem refletir qualquer um vai errar, penar... / Eu fiz mal em fugir, / Eu fiz mal em sair do que eu tinha em você / E errei em dizer que não voltava mais, nunca mais. / E hoje eu volto vencida pedir, / Pedir prá ficar aqui; / Meu lugar é aqui! / Faz de conta que eu não saí. / . “  ]  . 



Tom  Jobim  e  Vinícius  de  Moraes  ,  em  uma  bela  manifestação   poética  ,  compuseram  esta  canção  cujo  tema  é  a  necessidade  de  unificar  a  paixão   em  uma  relação  amorosa . Nas  linhas  do  canto  lírico  há  uma  determinação  em  perpetuar  o  amor . Interpretada  por  Elizeth Cardoso   com  bastante  maestria e  sensibilidade   demonstra  que         “ EU  NÃO  EXISTO  SEM  VOCÊ  “  .    [ “  /  Eu sei e você sabe / Já que a vida quis assim / Que nada nesse mundo / Levará você de mim; / Eu sei e você sabe / Que a distancia não existe / Que todo grande amor / Só é bem grande se for triste. / Por isso, meu amor, / Não tenha medo de sofrer / Que todos os caminhos / Me encaminham prá você ! / Assim como o oceano / só e belo com o luar, / Assim como a canção / só tem razão se se cantar, / Assim como uma nuvem / só acontece se chover, / Assim como o poeta / só é grande se sofrer, / Assim como viver / sem ter amor não é viver, / Não há você sem mim / e eu não existo sem você, / Não há você sem mim / e eu não existo    sem você! . “  ]  .


Esta  canção  composta  por  Vinícius  de  Moraes  e  Baden  Powell  tem  seu  eixo  semântico  no  arrependimento  de  um  ato  que  desfez  uma  relação  amorosa e  a  preocupação  em  reatar os  puros  sentimentos  com  alguém  que  partiu  implorando  o  perdão , através do       “  APELO  “  .  [ “ / Ah! meu amor não vás embora, / Vê a vida como chora, / Vê que triste esta canção. / Ah! eu te peço não te ausentes, / Pois a dor que agora sentes / Só se esquece no perdão. / Ah! meu amado me perdoa, / Pois embora ainda te doa / A tristeza que causei; / Eu te suplico não destruas / Tantas coisas que são tuas / Por um mal que já paguei... / Ah! meu amado se soubesses / Da tristeza que há nas preces / Que a chorar te faço eu, / Se tu soubesses no momento / Todo arrependimento / Como tudo entristeceu; / Se tu soubesses como é triste / Eu saber que tu partistes / Sem sequer dizer adeus, / Ah! meu amor tu voltarias / E de novo cairias / A chorar nos braços meus. / . “  ] . 



Meira  e  Augusto  Mesquita  são  os  compositores  desta  bela  canção  que  expressa  um  desejo  de  aceitar  a  pessoa  amada  depois  do abandono , pois  o  retorno  aliviaria  a  angústia  acentuada  de  uma  grande  saudade  não  permitindo  a  transformação  em  um   “   MOLAMBO  “ . [ “ /  Eu sei que vocês vão dizer  / que é tudo mentira que não pode ser / Porque depois de tudo que ele me fez / eu jamais deveria aceita-lo outra vez / Bem sei que assim procedendo / me exponho ao desprezo de todos vocês / Lamento mas fiquem sabendo / que ele voltou e comigo ficou / Ficou pra matar a saudade, / a tremenda saudade que não me deixou / Que não me deu sossego um momento sequer / desde o dia em que ele me abandonou / Ficou pra impedir que a loucura / fizesse de mim um molambo qualquer / Ficou desta vez para sempre / se Deus quiser! / “ . ]  .


Encerraremos  a  demonstração  de  algumas  obras entoadas pela  DIVINA    com uma  composição  de  Noel Rosa que  ,  já tomado por uma tuberculose aguda e prevendo seu fim , resolveu procurar sua amada e teve grande decepção ao encontrá-la  com outro nos aposentos dela . Entristecido , como todo condenado tem direito  a um último pedido , compôs esta maravilha de canção ,  interpretada  na  voz  suave e  afinada  de  Elizeth  Cardoso ,   chamada    “  ÚLTIMO  DESEJO  “ .  [ “ / Nosso amor que eu não esqueço / E que teve seu começo / Numa festa de São João / Morre hoje sem  foguete / Sem retrato e sem bilhete / Sem luar , sem violão / Perto de você me calo / Tudo penso e nada falo / Tenho medo de chorar / Nunca mais quero o seu beijo / Mas meu último desejo / Você não pode negar / Se alguma pessoa amiga / Pedir que você lhe diga / Se você me quer ou não / Diga que você me adora  / Que você lamenta e chora / A nossa separação /  Às pessoas que eu detesto / Diga sempre que eu não presto / Que meu lar é um botequim / Que eu arruinei a sua vida / Que eu não    mereço  a  comida  / que  você  pagou  pra  mim / . “  ]  .
 
      “   QUANDO  O  DEDO  DE  DEUS  APONTA  PARA  UMA  PESSOA  ESPECIAL :  “ EIS  O MILAGRE  CONSUMADO “  .  ELIZETH  CARDOSO  FOI  ROTULADA  COMO  “  DIVINA “  , PORQUE SEUS  LINDOS  CANTOS , SUAVES  E  HARMONIOSOS , TRAZIAM  IMPRESSÕES    DIGITAIS  DE  UM  DEUS  PODEROSO  .  MILAGROSAMENTE  UMA  VOZ  PENETRAVA  COM  MUITA  SATISFAÇÃO NA ALMA DE TODOS QUE  ACREDITAVAM  NO  SOBRENATURAL  “ 
 
Waldemar   Pedro   Antonio                             e-mail :  [email protected]

Link
Tags »
Tributo à divina voz de nosso cancioneiro Elizeth Cardoso
Relacionadas »
Comentários »