13/10/2017 às 08h14min - Atualizada em 13/10/2017 às 08h14min

Artigo sobre Miltinho

WALDEMAR PEDRO ANTÔNIO
Cantinho   Musical   traz  para  nossos  leitores  um  cantor  com  uma  voz  inconfundível  que , em  sua  época ,  fez  enorme  sucesso  nas  rádios  e  nos  auditórios , constituindo  com  seu  talento  um  verdadeiro  exército  de   fãs  de  suas  canções .  Embora   com  o  rótulo  de  diminutivo, representou  uma  grandeza  para  a  Música  Popular  Brasileira  :  “    MILTINHO“.

    Milton Santos de Almeida, conhecido como Miltinho ,  nasceu  no  Rio de Janeiro, em 31 de janeiro de 1928 ,  é um cantor brasileiro.  Começou sua carreira  na  década de 40 como integrante de diversos grupos vocais  .  Identificado  pela sua voz  nasalada, afeita aos sambas de teleco-teco  e  às canções românticas.  Miltinho  ganhou o reconhecimento do público   com a música “Mulher de 30 “ . Recebeu vários prêmios, participou dos principais programas de televisão da época.  O sambista também animou carnavais com marchinhas como "Nós os carecas".  No total, gravou mais de cem discos, mas na década de 70, com o declínio do seu gênero musical, saiu de cena nas grandes capitais, concentrando suas apresentações em cidades do interior. Cantor  na  predileção  do  compositor  Luiz  Antônio  apresenta , em  seu  repertório ,  grande  parte  de  suas  composições .  Em 7 de setembro de 2014, morreu aos 86 anos vítima de uma parada cardíaca, no Hospital do Amparo, zona norte do Rio. O cantor deixou uma galeria  de canções, que montam o grande legado do samba no Brasil.

  
Desfilaremos  ,  a  partir  de  agora  , algumas  canções  que  se  consagraram  com  as  belas  interpretações  do  cantor . Iniciaremos  com  uma  música  que  pode  ser  considerada  o  toque  inicial  de  sua  carreira . A  canção  é  uma  composição  de  Drink  Fermat  e  Luiz  Antonio  que  versa  sobre  o  amadurecimento  de  uma  mulher  em  relação  ao  seu tempo  vivido  e  tendo  consequências  com  a  questão  amorosa  :  “   MULHER  DE  TRINTA  “ .                       [ “ / Você, mulher / Que já viveu, que já sofreu / Não minta / Um triste adeus nos olhos seus / A gente vê, Mulher de Trinta / No meu olhar, na minha voz / Um novo mundo, sinta / É bom sonhar, sonhemos nós / Eu e você, Mulher de Trinta / Amanhã sempre vem / E o amanhã pode trazer alguém / . “  ]  . 


Esta  bela  canção  foi  composta  por  Benil  Santos  e  Raul  Sampaio , sucesso  garantido  na  voz  nasalada de  Miltinho ,  expressa ,  em  cada  verso , um  lamento  pela  separação  deixando  marcas  indeléveis  no  coração  apaixonado , vivenciadas  na  memória  com  enorme  sofrimento  nas   “   LEMBRANÇAS  “ .                             [ “ /   Lembro um olhar / Lembro um lugar / Teu vulto amado / Lembro um sorriso / E um paraíso / Que tive ao teu lado / Lembro a saudade / Que hoje invade os dias meus / Para meu mal / Lembro afinal / Um triste Adeus / Sou agora no mar desta vida / Um barco a vagar / Onde está teu olhar / Onde está teu sorriso / E aquele  lugar / Eu  devia  sorrir  eu  devia / Para  meu  padecer  ocultar /  Mas diante  de  tantas  lembranças  / Me  ponho  a  chorar / . “  ]  . 



Luiz   Antônio  compôs  uma  bela  canção  que  foi  enorme  sucesso  junto  ao  público  , interpretada  pela  voz  de  Miltinho ,  em  que  expressa  , liricamente  em  cada  verso  ,  uma  radical  e  consciente  transformação  de  seus  próprios  sentimento  em  relação  à  saudade  e  ao  amor  : “   POEMA  DO  ADEUS  “ .   [ “ / Então, eu fiz um bem, dos males ,que passei / fiz do amor uma saudade de você / e nunca mais amei, deixei nos olhos seus, / meu último olhar e ao bem do amor eu disse adeus / Caminho o meu caminho e, nos lugares que passei, / as pedras no caminho, são o pranto que chorei. / Escondo em minhas mãos, carinhos que eram seus, / e guardo sua voz no poema do adeus... / . “  ]  .




Nesta  canção  composta  por  Haroldo  Barbosa  e  interpretada  por  Miltinho  , os  personagens  do  amor  são  nominalmente  indefinidos , atuando  em  dois  momentos  antagônicos :  a paixão  concretizada  com  muito  desejo  e  , um  segundo  estágio , em  que  há  a  indefinida  separação :   “   MEU  NOME  É  NINGUÉM   “ .  [ “ / Foi assim... a lâmpada apagou / A vista estremeceu e um beijo então se deu / E veio a ânsia louca, incontida do amor / E depois daquele beijo então / Foi tanto querer bem que alguém dizendo a alguém / Meu bem, só meu, meu bem / Meu bem, só meu, meu bem / E que nosso céu onde estrelas cantavam / De repente ficou mudo / Foi se o encanto de tudo / Quem sou eu / Quem é você, quem é você / Foi assim / E só deus  sabe  quem / Deixou  de  querer  bem / Não  somos  mais  alguém /         O  meu nome  é  ninguém / E o seu  nome  também / Também  ninguém / . “  ]  .  


Haroldo  Barbosa  e  Luiz  Reis  criaram  uma  canção  que  expressa  uma  imensa  verdade  em  relação  ao  amor  de  interesse . Apesar  de  reconhecer  todas  as  características   depreciativas  resultantes  de  um  grande  descaso  da  pessoa  amada ,  aceita , sem  qualquer  contestação  e  satisfeito ,  o  rótulo     “  PALHAÇADA  “ .            [ “ / Cara de palhaço / Pinta de palhaço / Roupa de palhaço / Foi este o meu amargo fim; / Cara de gaiato, / Pinta de gaiato, / Roupa de gaiato, / Foi o que eu arranjei pra mim. / Estavas roxa por um trouxa / Pra fazer cartaz, / Na tua lista de golpista / Tem um bobo a mais / Quando a chanchada deu em nada  / Eu até gostei / E a fantasia foi aquela que esperei. / Cara de palhaço / Pinta de palhaço / Roupa de palhaço / Pela mulher que não me quer, / Mas se ela quiser voltar pra mim / Vai ser assim, / Cara de palhaço, / Pinta de palhaço / Roupa de palhaço / Até o fim!!! / . “  ]  . 


Ainda  uma  composição  de  Luiz  Antônio , interpretada  com  emoção  por  Miltinho ,  a  canção  representa  um  grito  de  alerta  para  as  mocinha  que  se  julgam  maduras  para  amar , esquecendo-se  de  que  como  menina  é  ornamentada   com  todas  as  graças  que  a  natureza  possui  :  “   MENINA   MOÇA   “ .  [ “ /  Você botão de rosa / Amanhã a flor mulher / Joia  preciosa cada um deseja e quer / De manhã banhada ao sol / Vem o mar beijar / Lua enciumada noite alta vai olhar / Você, menina moça, / Mais menina que mulher / Confissões não ouça / Abra os olhos se puder / Tudo tem seu tempo certo / Tempo para amar / Coração aberto faz chorar / A lua, / O sol / A praia / O  mar / Lição  de Deus, / A vida  eterna  para amar / . “  ]  .



Luiz  Antônio ,  compositor  na  preferência  de  Miltinho ,  compôs  um  belo  e  emocionante  poema  onde  simboliza  , metaforicamente ,  a  trajetória  de  um  rio  correndo  para  o  mar  representando  a  imagem  figurativa  do  amor  com  seus  sofrimentos  e  suas  alegrias , deixando  decepcionado  o  mar  que  espera  mas  na  certeza  de  que   o  amor  não  virá .  “  EU   E   O   RIO    “  .   [ “ / Rio  caminho que anda e vai resmungando talvez uma dor / Há quanta pedra levaste outra pedra deixaste sem vida e amor. / Vens lá do alto da serra o ventre da terra rasgando sem dó. / Eu também venho do amor com o peito rasgado de dor e tão só. / Não, não, não, não / Não viste a flor se curvar, teu corpo beijar e ficar lá pra trás. / E tens a mania doente de andar só pra frente e não voltas jamais. / Rio caminho que anda, o mar te espera não corras assim. / Eu sou um mar que espera alguém que não corre pra mim. / . “  ]  .

Em  uma  bela  interpretação  de  Miltinho , para  composição  de  Haroldo  Barbosa  e  Luiz  Reis ,  a  canção  expressa  liricamente  a  chegada  de  uma  paixão  simbolizada  no  fenômeno   natural   de  uma  manhã  oferecendo  um  novo  e   belo  amor  tão  desejado :   “   CANÇÃO   DA  MANHà  FELIZ   “ .  [ “ / Luminosa  manhã / Prá que tanta luz / Dá-me um pouco de céu / Mas não tanto azul / Dá-me um pouco de festa não esta / Que é demais pro meu anseio / Ela veio olhar, você sabe, ela veio / Despertou-me chorando / E até me beijou / Eu abri a janela / E este sol entrou / De  repente  em  minha  vida / Já  tão  fria  e  sem  desejos  /  Estes  festejos , esta emoção / Luminosa  manhã  / Tanto  azul, tanta  luz / É  demais  pro  meu  coração / . “  ]   . 


Luiz  Antônio  ,  através  de  uma  técnica  imagística ,  conservou  na  memória  a  fantasia  de alguém  que  não  mais  habita na   realidade  em  sua   vida  , constituída  com  uma  bela  interpretação de  Miltinho  somente  em   “  DEVANEIO   “  .  [ “ / Era a saudade do passado. / Era um olhar em meu caminho... / Agora  sombra do passado, / É  uma sombra de lado, / já  não vivo sozinho... / É minha crença e no que creio. / É a certeza de que és minha... / meu  sonho  lindo,  devaneio, / amanhã  é  você, só  você, /  vida inteirinha... / . “  ]  . 





Esta  canção  composta  também  por  Luiz  Antônio  e  interpretada  pela  voz  nasalada  de  Miltinho  tem  como  representação  simbólica  do sentimento  amoroso  as  MÃOS , por  se  tratar , de  forma  lírica,   comportamentos  poéticos  diferentes  entre  os  amantes ,  em  busca  de  soluções  apaixonantes  :  “  POEMA  DAS  MÃOS  “ .  [ “ / Nas minhas mãos a despedida / Nas tuas mãos a minha vida / Nas tuas mãos deixei meus sonhos / Nas tuas mãos deixei bondade / Alegre sonho ficou tristonho / Nas tuas mãos virou saudade / Nas minhas mãos o teu perfume / Nas minhas mãos o teu cabelo / O meu ciúme, o meu queixume / Nas minhas mãos um triste apelo / As tuas mãos estão mais frias / Estão vazias de meus beijos / As minhas mãos, talvez não sintas / Estão famintas de desejos / Nas minhas mãos a despedida / Nas tuas mãos a minha vida (  BIS ) / . “  ]  . 

Esta  canção ,  composta  por  Djalma  Freire  e  Luiz  Antonio  e  , emocionalmente,   cantada  por  Miltinho ,  é  uma  constatação  dos  sentimentos  amorosos  separados , resultando  um  sintoma  dorido  pelo  afastamento  dos  amantes :   “   CHEIRO  DE  SAUDADE  “  .             [ “ / É aquele cheiro de saudade, / que me traz você, a cada instante, / folhas de saudade, mortas pelo chão, / é o outono enfim, no coração... / É talvez que é tempo de saudade, / trago o peito tão carregadinho. / Sofro, de verdade, fruto da saudade / sem o seu carinho... / Quem semeia ventos, / colhe tempestade / Quem plantar amor / colhe saudade... / . “  ]  .




Para  encerramento   desta  seleção  de   sucessos  interpretados  por  Miltinho ,  elegemos  uma  linda  canção, composta   pela   magnífica  dupla  Jair  Amorim  e  Evaldo  Gouveia ,  que  versa  sobre  o  encanto  da  paixão , com  desdobramento  de  fatos  que  envolvem  a  verdadeira  paixão :   “   POEMA   DO  OLHAR  “ .  [ “ / Em teu olhar, / Busquei perdão, / Busquei sorriso e luz, / Achei meu sol, / Vivi meu céu, / Meu céu em teu olhar. / Olhando a ti, / Eu me perdi, / Pelos caminhos, / Quem me chamar, / Vai me encontrar, / Nos teus olhinhos. / Em teu olhar, / Estranho olhar, / Meu  sonho  um  dia, / Se  acabou, / Nos  olhos  teus, / Existe  amor, / Existe adeus. / . “  ]  .
       O   Cantinho  Musical  teve  um  imenso  cuidado  na  triagem  das  belas  canções  presentes  na  imensa  galeria  de  lindas   músicas  que  Miltinho  , com  seu  toque  especial  em  suas  interpretações  ,  deixou  eternizado  um  verdadeiro  tesouro  enriquecido  com  seus  cantos  e  com   suas  poesias  para  a  Música  Popular  Brasileira
 
      “  QUANDO  EXECUTADA  UMA  CANÇÃO  , NOTAM-SE  TRAÇOS  IDENTIFICADORES  COM  A  VOZ  MELÓDICA  DO  INTERPRETE  QUE  REPRESENTA  SUA  MARCA  INDELÉVEL . AO  OUVIR  UMA  PEÇA  CANTADA  ADMIRAVELMENTE  POR  MILTINHO ,  NÃO  PAIRA  A  MENOR DÚVIDA  QUANTO  À  IDENTIDADE  HARMONIOSA   NA  INTERPRETAÇÃO  DO  CANTOR    !  “
 
Waldemar   Pedro    Antonio            e-mail :  [email protected]
Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »