06/05/2020 às 09h14min - Atualizada em 06/05/2020 às 09h14min

141 - Fazenda Constança: mudança de domínio

Imigrantes Italianos em Leopoldina

Luja Machado e Nilza Cantoni
Na edição anterior, o Trem de História mencionou alguns dados sobre a Fazenda homônima da Colônia que acolheu muitos imigrantes que viveram em Leopoldina. Falou-se no Registro de Terras de 1856, documento que contém informações preciosas na indicação da propriedade e de seu proprietário. Mas que exige que se tenha cautela ao utilizar seus dados uma vez que registra a informação oral de um declarante, que nem sempre sabia o exato tamanho de suas terras, muitas vezes indicadas em documentos oficiais com medidas acrescidas de expressões do tipo “pouco mais ou menos”. Feitas estas observações iniciais segue, então, a viagem de hoje.

Três anos depois do Registro feito por José Augusto Monteiro de Barros o seu pai, Antonio José, declarou que vendeu a Fazenda Constança para José Teixeira Lopes Guimarães[1]. E numa escritura[2] de troca de terras, Guimarães e sua mulher Maria Teixeira da Fonseca se referiram ao plantio de milho em suas terras afirmando que a“Constança [tem] em um corrego Marrier, 28 alqueires de semeadura de milho”.

José Teixeira Lopes Guimarães faleceu[3] em Leopoldina aos 02 de fevereiro de 1884 e sobre ele há uma passagem interessante, relacionada à Fazenda Constança. No Almanaque de Leopoldina de 1886, um texto sem indicação de autoria, páginas 71 a 81, termina com a seguinte informação:

 
"Até 1887 carissimos leitores, emquanto não raia o seculo XX em cuja aurora prometto-vos escrever não um artigo, mas um livro bastante para uma cidade de 200.000 almas, cuja serra offerece já perspectivas encantadoras, e na elevada casa do finado capitão José Teixeira Lopes um panorama superior ao do Corcovado, dominando verdadeiro oceano de selva virgem."
 
Ainda sobre a família Teixeira Guimarães, no conjunto documental da Fazenda Paraíso, pertencente ao Arquivo Histórico do Museu Imperial, encontra-se uma escritura de troca de partes da Fazenda Feijão Cru, ocorrida em 14.01.1868. Segundo essa fonte, João Teixeira da Fonseca Guimarães, José Teixeira Lopes Guimarães Júnior e Joaquim Teixeira Lopes Guimarães, filhos de José Teixeira Lopes Guimarães e Maria Teixeira da Fonseca, adquiriram quatro partes da Fazenda Feijão Cru pertencentes aos herdeiros Ignacio Ferreira Brito, João Rodrigues Gomes, José Mancio de Moraes e Antonio de Freitas Lima, num total de 35 alqueires, no valor de 3 contos de réis. Em todas estas partes havia planta de milho. O filho João realizou a troca com os pais, que cederam a "Constancia", terras em torno do córrego Marrier, com 28 alqueires de semeadura de milho, mais o sítio formado pelo filho Joaquim, com 7 alqueires.

As fontes analisadas indicam que a Fazenda Constança sofreu diversos desmembramentos entre 1856, data em que foi citada pela primeira vez, e 1882, quando foi realizada a medição e definição dos proprietários de cada parte de seus 989 hectares.

Esta medição foi requerida[4] ao Juiz por Gervasio Antonio Monteiro de Castro e outras 14 pessoas, entre condôminos da Constança e seus confrontantes.

Gervasio Antonio Monteiro de Castro era filho de José Joaquim Monteiro de Castro e Maria do Carmo Monteiro da Silva. Estudou no Caraça[5] entre 1860 e 1864, donde se pode supor que tenha nascido por volta de 1850. Em 1869, na partilha[6] dos bens da mulher de Manoel Antonio de Almeida, ele é citado como proprietário de 35 alqueires de planta de milho na Fazenda Feijão Cru. A confirmar a sua presença em Leopoldina estão os registros de filhos aqui nascidos entre 1880 e 1888. Mas em 1893 ele residia em Faria Lemos, então distrito de Carangola, conforme se conclui pelo batismo[7] da filha Joaquina lá realizado.

O pai de Gervásio também faz parte da proto-história da Colônia Agrícola da Constança por ter sido proprietário de 614 hectares da Fazenda Boa Sorte, que passou para o Banco Rural Hypothecario no decorrer de seu inventário. José Joaquim Monteiro de Castro faleceu[8] em Leopoldina aos 13 de dezembro de 1892. Seus filhos fizeram abstenção judicial dos bens a inventariar em benefício da liquidação das dívidas do espólio.

O assunto “Fazenda Constança” não esgotou. Mas o Trem de História precisa fazer uma parada técnica para atender ao limite de espaço do Jornal. *** 

Na próxima edição do Jornal a história continua. Até lá.

Fontes de Referência:
 
[1] Arquivo do Museu Imperial de Petrópolis. Coleção Kenneth Light, doc. 2198/97, histórico da Fazenda Paraíso.
[2] Arquivo do Museu Imperial de Petrópolis. Coleção Kenneth Light, doc. 2265/97, histórico da Fazenda Paraíso.
[3] Cemitério Público de Leopoldina, MG (1880-1887), folhas 15 sepultura 470.
[4] Arquivo Permanente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais – COARPE – TJMG. Divisão Amigável da Fazenda da Constança. Processo 38402839.
[5] Colégio do Caraça Disponível em Matrícula nr. 99
[6] Arquivo Permanente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais – COARPE/TJMG. Divisão Amigável da Fazenda Feijão Cru. Processo 38402789.
[7] Igreja de São Mateus, Faria Lemos, MG. lv 1 bat fls 7.
[8] Arquivo Permanente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais – COARPE – TJMG. Inventário de José Joaquim Monteiro de Castro. Processo 38404143 fls 7 img 12.
***
17/03/2020: em virtude da pandemia de coronavírus, foram suspensos os preparativos para o ENCONTRO DE DESCENDENTES DOS IMIGRANTES DE LEOPOLDINA que seria realizado no próximo dia 17 de maio de 2020. Nova data será oportunamente informada.
Link
Relacionadas »
Comentários »