12/02/2016 às 09h54min - Atualizada em 12/02/2016 às 09h54min

Por trás das sombras de muitos sambas, vislumbra a imagem de Monarco da Portela

        O  CANTINHO  MUSICAL    cede , com muita honra e respeito , o espaço  para esse baluarte  componente da famosa  VELHA  GUARDA  DA  PORTELA  que  , como compositor  ,  tem um imenso acervo de belas canções   que alimentam  os grandes interpretes da nossa Música  Popular  Brasileira . Poeta  popular , Hildemar  Diniz , mais conhecido como  MONARCO  DA  PORTELA   , fora  do mundo do samba , seu nome não brilha tanto como nas rodas de sambista . Nasceu em  Cavalcanti  , subúrbio  do  Rio  de  Janeiro  , no dia 17 de agosto de 1933  , e foi criado em Osvaldo Cruz onde  , ainda menino , frequentava  as rodas de samba , período em que conheceu os bambas  Portelenses  . Em 1950 , ingressou  , tendo como padrinho Alcides Malandro Histórico ,  na Ala de  Compositores  da Portela  .
No ano de 2005 foi homenageado  como enredo pelo  G.R.E.S   Unidos  do  Jacarezinho , no desfile do Grupo de Acesso  B . Neste  mesmo ano foi condecorado pela  Câmara  de Vereadores do Rio de Janeiro  com a Medalha  Pedro  Ernesto pela sua dedicação ao samba brasileiro . A  partir de  agora ,  O Cantinho Musical  desfilará algumas relíquias desse magnífico compositor  que , na trajetória de sua vida , dedicou  grande parte do  seu  tempo , enriquecendo  , com suas composições ,  o universo do samba .  Iniciaremos  a seleção musical  por  um  samba que fez e faz sucesso na voz do interprete e amigo  Zeca  Pagodinho

A canção versa sobre um enorme dilema entre um casal , pelo fato de a mulher  gostar da boemia , não aceitando a proposta de seu amado para construir um lar harmonioso  , ameaçando de não mais  buscá-la na orgia . Com  a recusa da amada agrava  uma revolta no amante ,  expressando para ela   “  VAI  VADIAR  “

[ “ / Eu quis te dar um grande amor / Mas você não ...se acostumou /  A vida de um lar / O que você quer é vadiar / Vai vadiar , vai vadiar / Vai vadiar , vai vadiar ( vai vadiar ) / Vai vadiar , vai vadiar / Vai vadiar , vai vadiar / Agora não precisa se preocupar / Se passares da hora / Eu não vou mais te buscar / Não vou mais pedir / Nem tão pouco implorar / Você tem a mania de ir pra orgia /  Só quer vadiar / Você vai pra folia se entrar numa fria / Não vem me culpar , vai vadiar / Vai vadiar , vai vadiar... /     ( REPETE O REFRÃO ) /  Quem gosta da orgia / Da noite pro dia não pode mudar / Vive outra fantasia / Não vai se acostumar / Eu errei quando tentei lhe dar um lar / Você gosta do sereno e meu mundo é pequeno / Pra lhe segurar / Vai procurar alegria / Fazer moradia na luz do luar , vai vadiar ! / Vai vadiar , vai vadiar ...  /      ( REPETE O REFRÃO  ) . / . “  ]  .   




Em uma competente parceria de Paulo da Portela ,  Monarco cria um samba  que é uma descrição do que pode ser um pagode ,  convocando os sambistas para um deliciosa macarronada regada a bebidas  e sambas de primeira grandeza  , pedindo os ingredientes para o    “   QUITANDEIRO   “  . 

[ “ /  Quitandeiro , leva cheiro e tomate / Na casa do Chocolate , que hoje vai ter macarrão / Prepara a barriga macacada , que a boia tá enfezada / E o pagode fica bom , fica bom , fica bom / Chega só 30 litros de uca para fechar a butuca / Desses  nego  beberrão / Chocolate, tu avisas a crioula , que carregue na cebola / E no queijo parmesão / É mas não se esqueça de avisar  a nega  Estela / Que o pessoal da Portela vai cantar partido alto / Vai ter pagode até o dia amanhecer / E os versos de improviso serão em homenagem a você / . “ ]  . 





Roberto  Ribeiro interpretou um samba que durante muito tempo  ocupou  as paradas  de sucesso com sua maravilhosa voz . Nesta bela canção , Monarco  expressa , em uma linha poética ,  a falsidade em uma relação amorosa , fazendo do amante um verdadeiro sofredor  ,   iludido com uma   “  PROPOSTA  AMOROSA  “  . 

[ “ /  Por que vieste com proposta amorosa / Eu que vivia num perfeito mar de rosas / Só conheci falsidade em lugar de carinho / No meio das flores  quiseste levar-me ao monte de espinhos /  Não conseguiste um intento mesquinho  /  Um bom artista / Juro por Deus não é tolo / Na saudade dei o bolo / Ela vinha quase certa me encontrar / Hoje vou trilhando meu caminho / Muito embora sozinho / Pra ninguém me ver chorar / Se eu chorasse  / E a saudade me encontrasse / Seria bem envolvido / Como um simples amador / Mas em matéria de amor / Eu conheço na palma da mão / Sei também que essa tal de saudade / Tortura demais um pobre coração / “ ].   


Ainda em uma interpretação magnífica na voz carismática de ZECA  PAGODINHO , MONARCO  , em seu lampejo criativo , compôs um samba que expressa em sua poesia  uma enorme desilusão pela perda de sua amada a quem deu afeto e carinho e , por ingratidão , foi procurar outro ninho  deixando  totalmente seu    “   CORAÇÃO   EM  DESALINHO  “

[ “ / Numa estrada dessa vida / Eu te conheci oh! flor / Vinhas tão desiludida / Mal sucedida  por um falso amor / Dei-lhe afeto e carinho / Como retribuição / Procuraste um novo ninho / Em desalinho ficou meu coração / Meu peito agora é só paixão / Meu peito agora é só paixão / Tamanha desilusão me deste oh! flor / Me enganei redondamente / Pensando em  te  fazer  o  bem / Eu me apaixonei / Foi meu mal / Agora / Uma enorme paixão me devora /Alegria partiu , foi embora / Não sei viver sem teu amor / Sozinho curto a minha dor / . “  ]  .  




O eixo semântico preferido por  Monarco  em seus sambas   , determinando sua principal característica , é a desilusão com o amor , através de grandes traições . Nesta  canção , a amada , em  prantos ,  implora ao seu amado perdão  pela  ato de traição  ,  e  ele não a perdoa , ordenando que enxugue as lágrimas  com    “    O   LENÇO  “  . 

[ “ / Se o teu amor / Fosse um amor de verdade / Eu não queria e nem podia / Ter maior felicidade / Com os olhos rasos d’água , me chamou / Implorando meu perdão , mas eu não dou / Pega  esse lenço , vai enxugar teu pranto / Já enxuguei o meu , o nosso amor morreu / Seguirei a ordem do meu coração / Não me fales de amor , nem tampouco  me peças perdão / Eu não vejo honestidade em teu semblante / Falsidade isso sim eu vi bastante / Pega esse lenço e não chores  / Enxuga o pranto , diz  adeus e vai embora  / . “ ]  .   




Uma das grandes virtudes de  MONARCO  é exaltar sempre os baluartes dos sambas e tecer enorme respeito às escolas coirmãs  , sempre  guardando um espaço em suas criações para citar todos que compõem o mundo do samba , porém  expressando um maior valor à sua  PORTELA  , relembrando   ,orgulhosamente,   o  seu  “   PASSADO  DE  GLÓRIA  “  .

[ “ / Portela , eu às vezes meditando , quase acabo até chorando / Que nem posso me lembrar / Teus livros têm tantas páginas belas  / Se eu for falar da Portela , hoje não vou terminar / A  Mangueira de Cartola  , velhos tempos do apogeu / O Estácio  de Ismael , dizendo que o samba era seu / Em  Osvaldo Cruz , bem perto de Madureira / Todos só falavam Paulo Benjamim de Oliveira / Paulo e Claudionor quando chegavam / Na roda de samba abafavam / Todos corriam para ver / Para ver , se não me falha a memória / No livro da nossa história têm conquistas pra valer / Juro que não posso me lembrar / Se for falar da Portela , hoje não vou terminar  /. “ ]  



Ainda com o coração borbulhando de orgulho pela Portela , compõe  um samba que narra toda a sua trajetória vivida na sua escola de coração .  Quando ainda menino aprendeu tudo sobre samba recebendo as lições dos baluartes da AZUL  e  BRANCO  e com imensa satisfação diz :   “   PORTELA  DESDE  QUE  NASCI  “  .   
[ “ / Eu  sou  Portela  / Desde os tempos de criança / Ainda guardo na lembrança / Algo e vou revelar /  Me lembro o Paulo quando sorrindo dizia / Ao sambista que surgia / O segredo e seu modo de cantar / Ficava alegre quando ouvia o entoar de um hino / Lá vem Rufino , novidades ele vem apresentar / Abriu-se o pano , surge o mano Caetano /  Abelardo fracassou / Seu chapéu caiu na linha / Seu terno melhor rasgou / . “ ]



Continuando com o amor à Portela , Monarco compôs um samba que exalta dois ícones portelense : Paulo no passado e Paulinho no presente . Uma bela homenagem expressa na canção , narrando “  DE  PAULO  DA  PORTELA  A  PAULINHO  DA  VIOLA  “ . 

[ “ / Antigamente era Paulo da Portela / Agora é Paulinho da Viola / Paulo da Portela , nosso professor , /  Paulinho da Viola , o seu sucessor / Vejam que coisa mais bela / O passado e o presente / Da nossa querida Portela / Paulo , com sua voz comovente / Cantava, ensinando a gente  / Com pureza e prazer / O seu sucessor na mesma trilha  / É razão que hoje brilha / Vaidade nele não se vê / Ó , Deus / Conservai esse menino que a Portela de seu Natalino / Saúda com amor e paz / Quem manda um abraço é Rufino / Pois Candeia e Picolino / Lhe desejam muito mais / . “ ]      . 




Outro tema preferido por MONARCO é relacionado às mensagens amorosas  em todas suas nuances . A rejeição de um de um verdadeiro amor está presente nesta bela canção , descartando definitivamente a mulher amada e  dizendo-lhe   “  TUDO  MENOS  AMOR  “

[ “ /  Tudo que quiseres te darei , oh flor / Menos meu amor / Darei carinhos se tiveres a necessidade / E peço a Deus para te dar muita felicidade / Infelizmente só não posso  ter-te para mim / Coisas da vida , é mesmo assim / Embora saiba que me tens tão grande adoração / Eu sigo a ordem e esta é dada por meu coração / Neste romance existem lances sensacionais / Mas te dar meu amor , jamais . / A gente ama verdadeiramente uma vez / Outras são puras fantasias , digo com nitidez / Mas uma  história de linguagens sensíveis e reais / O que quiseres mas o meu amor , jamais / . “ ]  . 




A preocupação de MONARCO com a tradição portelense inspirou-o em um samba  composto por Chico Buarque cujo título é  “ Homenagem ao  Malandro  “  que diz : “ Eu fui fazer um samba em homenagem / À nata da malandragem / Que eu conheço de outros carnavais / Eu fui à Lapa e perdi a viagem ...... // .









Baseado no samba de Chico , surge uma inspiração em Monarco  fazendo-o criar , a partir de uma intertextualidade musical ,  “  HOMENAGEM  À  VELHA  GUARDA  “[ “ / Um dia , tu foste à Lapa ver a malandragem / Perdeste o tempo e a viagem / Como o teu samba diz / Eu fui à Portela ver os meus sambistas / Mas consultando a minha lista / Também não fui feliz / Lá falaram-me sobre um terreiro / Onde eles passam o dia inteiro /  Num lugar qualquer de Oswaldo Cruz / Fica lá perto de Bento Ribeiro / Onde Paulo e seus companheiros / Faziam samba  que até hoje seduz / Procurando na localidade / Encontrei Mano Alvaiade , / Nosso antigo diretor de harmonia / Deu-me sua dica valiosa / É uma casa formosa  / Que reúne paz , amor e alegria / Aí vi os sambistas de fato / Manaceia e Nonato e outros mais / Juro que fiquei boquiaberto / Nunca me senti tão perto / Da Portela de tempos atrás  / (BIS) / . “  ]   .

      Integrante da  “ VELHA  GUARDA  DA  PORTELA “  , “  se eu for falar de MONARCO hoje não vou terminar  “ , parafraseando um famoso verso dele em homenagem à Portela , encerramos , prazerosamente , a coletânea  de maravilhosos sambas de um compositor portelense   considerado e respeitado ,  no meio artístico musical , como uma estrela-guia de todos os sambistas .

    “  FAZER  SAMBA COM COMPETÊNCIA MUSICAL , SENTIMENTO AMOROSO AO VERDADEIRO RITMO BRASILEIRO , É TAREFA ÁRDUA DE COMPOSITORES QUE ENTREGAM SUAS ALMAS ARTÍSTICAS EM NOME DE UMA  PERFEITA OBRA QUE TRADUZ PARA SEUS SEGUIDORES UMA MENSAGEM DA VIDA . MONARCO REPRESENTA UMA CÉLULA DESTE UNIVERSO DO SAMBA , CONTRIBUINDO COM SUAS BELAS CANÇÕES  PARA O ENRIQUECIMENTO DA  MÚSICA  POPULAR  BRASILEIRA . “ 
Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »