22/11/2021 às 07h35min - Atualizada em 22/11/2021 às 07h32min

​Dia da Consciência Negra em Leopoldina!

Paulo Lúcio Carteirinho
 O Dia da Consciência Negra há tempos é comemorado pelo movimento negro de Leopoldina. Como agora virou feriado municipal pensei que a prefeitura faria algo, mas não fez. Pelo menos eu não vi.
 
A única coisa que vi por parte do setor público foram duas publicações nas redes sociais, ambas iguais, sendo uma na página do prefeito Pedro  Augusto e outra na página da prefeitura. Apenas isso.
 
Como a data virou feriado recentemente, talvez não deu tempo para planejar festividades. Sem contar também a questão do Covid-19. Além da recente troca do secretário de Esporte, Cultura, Lazer, Turismo e etc,  onde até hoje não nomearam alguém para a Superintendência de Cultura. Falando no secretário, o mesmo esteve presente no Cutubas, no evento realizado pelo movimento negro de Leopoldina e me parece que a secretaria contribuiu.
 
Devido a tudo que citei, é compreensível que essa data tenha passado em branco. Mas espero que nos próximos anos essa data seja de fato comemorada em Leopoldina. Afinal, agora é feriado municipal. Deve constar no calendário oficial festivo. Inclusive, espero também que as associações comercial e agropecuária também participem. Afinal, a economia de Leopoldina tem sangue negro
 
Vale lembrar que teve um período que Leopoldina foi a segunda cidade mineira que mais recebeu escravos. Por anos o trabalho escravo foi à base da economia local. O comércio da cidade tem uma dívida com os negros, principalmente o setor da agropecuária, afinal, o trabalho escravo ajudou muitas famílias que tinham fazendas a construírem seus patrimônios, que se mantém até hoje.
 
O curioso é que quando se comemorou o Dia do Imigrante Italiano, no caso antes da pandemia, foram vários dias de festas. Contando com apoio da prefeitura, associação comercial, associação agropecuária.... Hastearam a bandeira nacional, cantaram o hino, teve culinária típica, shows na praça, caminhada...Por que não fazer o mesmo com o Dia da Consciência Negra?     Não é estranho esse dia passar em branco em Leopoldina?

Na verdade, essa data não passou em branco  tendo em vista o movimento negro, que novamente fez uma linda festa lá no Clube Cutubas. Contando com a participação do   Grupo Pérola Negra, religiões de matrizes africanas, grupos de capoeiras...   
 
Estive presente no evento e estou arrepiado até agora. Que coisa linda! A começar pela apresentação da capoeira, que me fez voltar no passado, na época de adolescência quando fiz capoeira. Confesso que deu até vontade de entrar na roda. 
 
Também fiquei arrepiado com as poesias e músicas que foram apresentadas. Encrespada sim! Quem disse que meu cabelo não é pra mim”. Com direito a desfile com modelos destacando seus lindos cabelos negros. Fora o lindo espetáculo de dança feito pelo grupo Pérola Negra: “Expressões Negras Importam II. Que noite fantástica!
 
O que mais me emocionou foi ver Leopoldina como ela é. O público presente era maioria negra, mulheres e jovens. Essa é a cidade em que vivo, mas devido questão social e cultural esses, acabam se tornando minoria.
 
O dia 20 de Novembro nos permite conhecer nossa cidade. Por isso essa data é tão importante. É uma data de resistência. De luta. De consciência. Os críticos vão dizer:  “Por que não se comemora o dia da Consciência Branca?”. A resposta é simples: “Se os brancos tivessem consciência, não teriam escravizados os negros”!
 
O dia da Consciência Negra é muito mais que uma data para nos lembrar que por mais de 400 anos os negros foram escravos no Brasil, que inclusive foi o país que mais recebeu escravos no mundo, além de ser o último país a acabar com a escravidão.
 
É um dia que se comemora não só a luta dos negros, mas a luta de todos aqueles que são contra uma sociedade opressora. Até por que, não foram só os negros que sofreram nesse período. Os índios também. Até mesmo alguns brancos que não aceitavam a religião predominante na época, além do modelo político. Esses foram perseguidos, mortos, torturados, escravizados... Veja Tiradentes, um branco que foi morto e esquartejado.
 
Vale destacar que os quilombos não eram formados só por negros, mas também por índios e até brancos. Era um local de refúgio daqueles que lutavam contra o sistema. E essa luta não acabou com o fim da escravidão. Até porque, muitos ainda insistem em querer oprimir e controlar o outro. Inclusive, a escravidão ainda existe em muitos lugares. O racismo também. “E não basta não ser racista, temos que ser antirracista”.  
 
Como pode ver, o dia da Consciência Negra tem importância para a sociedade. Por isso devemos comemorá-lo. Viva Zumbi! Viva Gangazumba! Viva Dandara! Viva Mandela! Viva Martin Luther King! Viva Mariele Franco! Viva todos que lutam por igualdade e por uma sociedade mais justa.

 
Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »