16/10/2015 às 14h09min - Atualizada em 16/10/2015 às 14h09min

TRÊS DIMENSÕES POÉTICAS NAS OBRAS DE “CHICO BUARQUE DE HOLANDA

           O  CANTINHO  MUSICAL  ,  com  grande admiração  e  respeito  a  esse gênio da MÚSICA  POPULAR  BRASILEIRA  ,  selecionou  ,  dentre várias  dimensões temáticas ,  três  eixos  semânticos  da magnífica  obra de  CHICO  BUARQUE  DE HOLANDA :   VISÃO  DA  MULHER  ,  O  CRONISTA  E  O  POLÍTICO .  Cada  uma  das  dimensões  será  publicada em três  edições separadas .

           Com sua bela arquitetura  poética  colorida , faz uma abordagem diversificada da  mulher  como se fora um verdadeiro trovador medieval  assumindo o espírito feminino . A técnica de uma boa narrativa dos fatos representa todo esplendor de suas crônicas  , encadeando situações em temas diversificados  .  Em sua visão política bem idealizada não se intimida ao incomodar os poderosos de um regime de força que ele sabiamente criticava em grande dualidade de sentido . Teremos  , a partir dos temas propostos , uma visão esmiuçada de alguns aspectos que forjaram a personalidade musical desse conceituado compositor , bem como o grau de autoridade com que estes aspectos moldaram sua visão de mundo .          

          Comecemos com a completa e mais linda caracterização temática da MULHER  comum , elevada à categoria de  deusa-musa  inspirando seus versos dos mais doces aos mais picantes  em saborosas canções . Iniciamos com o tema  A MULHER DONA DE CASA que externa seus sonhos de sempre ter o amado junto de si , usando de vários recursos  para tê-lo em casa , preparando tudo  “  COM  AÇÚCAR  ,  COM  AFETO  “ .

  [ “ / Com açúcar com afeto / Fiz seu doce predileto / Pra você parar em casa / Qual o quê ! / Com seu terno mais bonito / você sai , não acredito / Quando diz que não se atrasa / Você diz que é operário / Sai em busca do salário / Pra poder me sustentar / Qual o quê / No caminho da oficina / Há um bar em cada esquina / Pra você comemorar / Sei lá o quê / Sei que alguém vai sentar junto / Você vai puxar assunto / Discutindo futebol / E ficar olhando as saias /

De quem vive pelas praias / Coloridas pelo sol / Vem a noite , mais um copo / Sei que alegre  “ ma  non tropo “ / Você vai querer cantar / Na caixinha um novo amigo / Vai bater um samba antigo / pra você rememorar / Quando a noite enfim lhe cansa / Você vem feito criança / Pra chorar o meu perdão / Qual o quê / Diz pra eu não ficar sentida /Diz que vai mudar de vida / Pra agradar meu coração / E ao lhe ver assim cansado / Maltrapilho , maltratado / Ainda quis me aborrecer / Qual o quê / Logo vou esquentar seu prato / Dou um beijo em seu retrato / E abro os braços pra você . / ].

A música da próxima abordagem é  conhecida como “ a música que Chico Buarque  fez para Cauby Peixoto “, posteriormente Chico nega dizendo que compôs para Cristina , sua irmã . O tema nos mostra uma mulher falando de seus sentimentos   em conflito , de grande emoção , enquanto canta num cabaré , ante a certeza de ter sido abandonada pelo amado , consequentemente ,  chorava nos  “  BASTIDORES  “ 

  [ “ / Chorei , chorei ./ Até ficar com dó de mim/ E me tranquei no camarim /Tomei o calmante , o excitante / E um bocado de gim /Amaldiçoei / O dia que te conheci / Com muitos brilhos me vesti / Depois me pintei , me pintei / Cantei , cantei / Como é cruel cantar assim /E num instante de ilusão / Te vi pelo salão / A caçoar de mim / Não me toquei / Voltei correndo ao nosso lar / Voltei pra me certificar / Que tu nunca mais vai voltar/ Vais voltar , vais voltar /

  Cantei / Nem sei como eu cantava assim / Só sei que todo cabaré / Me aplaudia de pé / Quando cheguei ao fim / Mas não bisei/ Voltei correndo ao nosso lar /Voltei pra me certificar / Que tu nunca mais vais voltar / Vais voltar, vais voltar / Cantei , cantei / Jamais cantei tão lindo assim / E os homens lá pedindo bis / Bêbedos e febris / a se rasgar por mim / Chorei , chorei / Até ficar com dó de    mim . ‘  ] .

O sentimento feminino representado no discurso poético de Chico espelha o demonstrativo de um lirismo variado, dentre eles , o grau de carência da mulher em que se humilha diante do amado, rastejando –se para tê-lo como par de seu amor .  Nas letras desta canção , Chico  expõe  todo sofrimento da mulher em  “  ATRÁS  DA  PORTA  “ . 

  [ “ /  Quando olhaste bem nos olhos meus / O teu olhar era de adeus , /  Juro que não acreditei / Eu te estranhei / Me debrucei / Sobre o teu corpo e duvidei / E me arrastei , te arranhei  / E me agarrei nos teus cabelos / No teu peito , nos teus pelos / Teu pijama / Nos teus pés / Aos pés da cama  / Sem carinho , sem coberta / No tapete atrás da porta / Reclamei baixinho / Dei pra maldizer o nosso lar / A sujar teu nome , te humilhar / E me vingar a qualquer preço /Te adorando pelo avesso /

Pra mostrar que ainda sou tua / Só pra provar que ainda sou tua  / . “  ]  .   

Chico  Buarque descreve em uma bela canção  os atos  de uma mulher  leviana , na figura da  prostituta , oferecendo seus encantos, entregando-se ao prazer sexual  em  troca de um simples presente . Todos os detalhes da crônica narrada pela mulher estão contidos na canção :  “  FOLHETIM  “

  [ “ /  Se acaso me quiseres , / Sou dessas mulheres / Que só dizem sim / Por uma coisa à toa / Uma noitada boa / Um cinema , um botequim / E , se tiveres renda ,/ Aceito uma prenda / Qualquer coisa assim / Como  uma pedra falsa ,/ Um sonho de valsa  / Ou um corte de cetim / E eu te farei as vontades / Direi meias verdades / Sempre à meia luz / E te farei , vaidoso , supor / Que é o maior e que me possuis / Mas na manhã seguinte / Não conta até vinte / te afasta de mim / Pois já não vales nada / És  página virada / Descartada do meu folhetim / . “ ]  .

Na  bela canção  ,  “  O  MEU  AMOR  “  ,  o tema  versa sobre um desafio entre duas mulheres , descrevendo, em suas confissões amorosas , seus atos prazerosos na disputa do homem amado . 

  [  “ /  O meu amor tem um jeito manso que é só seu / E que me deixa louca , quando me beija a boca / Minha pele toda fica arrepiada / E que me beija com calma e fundo / Até minha alma se sentir beijada / O meu amor tem um jeito manso que é só seu / Que rouba os meus sentidos , viola meus ouvidos / Com tantos segredos lindos e indecentes / Depois brinca comigo , ri do meu umbigo / E me crava os dentes / Eu sou sua menina , viu ? E ele  é o meu rapaz / Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz . /

 O meu amor tem um jeito manso que é só seu / De me deixar maluca , quando me roça a nuca / E quase me machuca com a barba mal feita / E de pousar as coxas entre as minhas coxas / Quando ele se deita / O meu amor tem um jeito manso que é só seu / De me fazer rodeios , me beijar os seios / Me beijar o ventre e me deixar em brasa / Desfruta do meu corpo como se o meu corpo / Fosse a sua casa / Eu sou sua menina , viu ? E ele é o meu rapaz / Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz /. “ ]  .

Na bela canção seguinte  , Chico  centraliza o tema com base no sentido da palavra “ saudade “ , que é uma recordação suave e melancólica da pessoa ausente , alguém que já partiu , deixando expresso um sentimento de espera e dor em :  “  PEDAÇO  DE  MIM  “ 

  [ “ / Oh , pedaço de mim , / Oh , metade afastada de mim / Leva o  teu olhar / Que a saudade é o pior tormento / É  pior do que o esquecimento / É pior do que se entrevar / Oh , pedaço de mim / Oh , metade exilada de mim / Leva os teus sinais / Que a saudade dói como um barco / Que aos poucos descreve um arco / E evita atracar no cais / Oh , pedaço de mim / Oh , metade arrancada de mim / Leva o vulto teu / Que a saudade é o revés de um parto / A saudade  é arrumar o quarto / Do filho que já morreu /

 Oh , pedaço de mim / Oh , metade amputada de mim  / Leva o que há de ti / Que a saudade dói latejada / É assim como uma fisgada / No membro que já perdi / Oh , pedaço de mim / Oh , metade adorada de mim / Leva os olhos meus /Que a saudade é o pior artigo / E eu não quero levar comigo / A mortalha do amor / Adeus ! / “ ].

A  cantiga que apresentaremos agora expressa um tema onde o eu-lírico é representado pela  fala feminina , imprimindo uma veracidade e uma proximidade com a chegada dos homens de sua vida , como se ela estivesse ali à espera do primeiro , seu pai  ; do segundo , seu irmão ; do terceiro ,  aquele que  “  TERESINHA  “  deu a mão .  

  [  “  /  O primeiro me  chegou como quem vem do florista / Trouxe um bicho de pelúcia , trouxe um broche de ametista / Me contou suas viagens e as vantagens que ele tinha / Me mostrou o seu relógio , me chamava de rainha / Me encontrou tão desarmada que tocou meu coração / Mas  não me negava nada e ,  assustada , eu disse não / O segundo me chegou como quem chega do bar / Trouxe um litro de aguardente  tão amarga de tragar / Indagou o meu passado e cheirou minha comida /

 Vasculhou minha gaveta me chamava de perdida / Me encontrou tão desarmada que arranhou meu coração / Mas não me entregava nada e , assustada , eu disse não / O terceiro me chegou como quem chega do nada / Ele não me trouxe nada também  nada perguntou / Mal sei como ele se chama mas  entendo o que ele quer / Se deitou em minha cama e me chama de mulher / Foi chegando sorrateiro e antes que eu dissesse não / Se instalou feito um posseiro dentro do meu coração  / . “  ]. 

A bela canção  criada por Chico Buarque  manifesta  uma forma de sentimento amoroso , como uma verdadeira síntese  das “ Cantigas de Amigo “ , tão cantada na voz feminina  pelos trovadores medievais.  O eu-lírico    manifesta-se nas suas linhas poéticas  a superação da mulher , relacionada ao sofrimento amoroso , constituindo uma nova etapa para o amor . E a comprovação de ela ser remoçada está em  “  OLHOS  NOS  OLHOS  “  .     

  [ “ / Quando você me deixou , meu bem / Me disse pra ser feliz e passar bem / Quis morrer de ciúmes , quase enlouqueci / Mas depois  , como era de costume , obedeci / Quando você me quiser rever / Já vai me encontrar refeita , pode crer / Olhos  nos  olhos / Quero ver o que você faz / Ao sentir que sem você eu passo bem demais / E venho até remoçando / Me pego cantando , sem mais , nem por quê / Quantas águas rolaram / Quantos homens me amaram / Bem mais e melhor que você /

 Quando talvez precisar de mim / Cê sabe que a casa é sempre sua , venha sim / Olhos  nos  olhos / Quero ver o que você diz / Quero ver como suporta me ver tão feliz  / . “ ]   .  

Nesta canção , Chico  descreve uma enorme obsessão da mulher  em perpetuar sua imagem no corpo do homem amado , formando uma eterna cicatriz . O grande desejo dela é ficar em forma inapagável  como uma verdadeira  “  TATUAGEM  “ . 

  [ “ /  Quero  ficar no teu corpo / Feito tatuagem / Que é pra te dar coragem / Pra seguir viagem / Quando a noite vem... / E também pra me perpetuar / Em tua escrava / Você pega, esfrega / Nega, mas não lava / Quero brincar no teu corpo / Feito bailarina / Que logo se alucina / Salta e te ilumina / Quando a noite vem.../ E nos músculos exaustos /

 Do teu braço / Repousar , frouxa , murcha / Farta , morta de cansaço / Quero pesar feito cruz / Nas tuas costas / Que te retalha em postas / Mas no fundo gostas / Quando a noite vem.../ Quero ser a cicatriz / Risonha e corrosiva / Marcada a frio / Ferro e fogo / Em carne viva / Corações de mãe , arpões / Sereias e serpentes / Que te rabiscam / O corpo todo / Mas não sentes /. “ ].

Das várias criações  musicais  sobre o sentimento feminino , dita na voz de uma mulher , Chico expressa caracterizações  de  uma personagem de aspecto vulgar , traiçoeiro ,  uma verdadeira anti-heroína subestimando sua própria vida em detrimento do amado  , numa total subserviência “  SOB  MEDIDA  “

  [ “ / Se você crê em Deus / Erga a mão para o céu / E agradeça /Quando me cobiçou / Sem querer acertou / Na cabeça / Eu sou sua alma gêmea / Sou sua fêmea / Seu par , sua irmã / Eu sou seu incesto ( seu jeito , seu gesto )/ Sou perfeita porque / Igualzinha a você / Eu não presto / Eu não presto / Traiçoeira e vulgar / Sou sem nome e sem lar / Sou aquela / Eu sou filha da rua / Eu sou cria da sua / Costela / Sou bandida / Sou solta na vida / E sob medida / Pros carinhos seus / Meu amigo /

Se ajeite comigo / E dê graças a Deus . / Se você crê em Deus / Encaminhe para o céu / Uma prece / Agradeça ao Senhor / Você tem o amor / Que merece / . “ ]   .

Encerrando essa pequena exposição de uma infinita obra em que a mulher é centro  temático ,  Chico , diante de uma forte percepção social , serve-se  da figura de uma mãe-mulher que não consegue ver o lado marginalizado do filho ,  muito  encantada  com   “  O  MEU  GURI  “

  [ “ / Quando , seu , moço nasceu o rebento/ Não era momento dele rebenta / Já foi nascendo com cara de fome / E eu nem tinha nem nome para lhe dar / Como fui levando não sei lhe explicar / Fui assim levando ele a me levar / E na sua meninice ele um dia me disse / Que chegava lá , olha aí ,olha aí / Olha aí, ai o meu guri , olha aí / Olha aí , é o meu guri e ele chega / Chega suado e veloz do batente / E traz sempre um presente pra me encabular / Tanta corrente de ouro, seu moço , /

 Que haja pescoço pra enfiar / Me trouxe uma bolsa já com tudo dentro / Chave , caderneta , terço e patuá / Um lenço e um penca de documentos /Pra finalmente eu me identificar , olha aí / Olha aí , ai o meu guri, olha aí ,  é o meu guri e ele chega / Chega no morro com o carregamento/ Pulseira , cimento , relógio , pneu , gravador / Rezo até ele chegar cá no alto / Essa onda de assalto ta um horror / Eu consolo ele , ele me consola / boto ele no colo pra ele me ninar/ De repente acordo, olho pro lado / E o danado já foi trabalhar , olha aí / Olha aí , ai o meu guri , olha aí / Olha aí , é o meu guri e ele chega / Chega estampado , manchete retrato / Com venda nos olhos , legenda e as iniciais / Eu não entendo essa gente , seu moço / Fazendo alvoroço demais / O guri no mato , acho que tá rindo / Acho que tá lindo de papo pro ar / Desde o começo , eu não disse , seu moço ? / Ele disse que chegava lá / Olha aí , olha aí / Olha aí , ai o meu guri , olha aí /  Olha aí , é o meu guri / . “  ]   .

            Foi muito prazeroso para o CANTINHO   MUSICAL  desfilar a  partícula de uma imensa  criação  de canções que contribuem para rotular a maravilha de um grande acervo  em nossa  MÚSICA POPULAR BRASILEIRA .   Ao  cantar no feminino , Chico Buarque exterioriza o belo sentimento da mulher , nos traços poéticos deste verdadeiro artista que soube , como ninguém , traduzir as emoções femininas .

  “     QUANDO  OS  SENTIMENTOS  DAS  MULHERES  SÃO  TRANSPLANTADOS  PARA  O  CORAÇÃO  DOS  HOMENS  E  MANIFESTADOS  POR ELES  EM  FORMA  DE POESIA  (  ESTILO JÁ  EXPRESSO  NA ERA  MEDIEVAL  PELAS CANTIGAS DE  AMIGO  )  ,  OBSERVA-SE  A SUTILEZA  POÉTICA  NA PURA VISÃO DO AMOR .   CHICO  BUARQUE  ,  COM  MUITA  MAESTRIA , CULTIVA , COMO NINGUÉM ,  ESSE  MODELO LITERÁRIO .  “

 

Waldemar  Pedro  Antonio  

 e-mail :     wpantonio@terra.com.br

Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »